A Tarde

650x375_1339526

A empolgação transborda a racionalidade. O Campeonato Brasileiro sequer atingiu um quarto da sua totalidade – o que só acontecerá na 9ª rodada – e já há quem proclame a possibilidade de Bahia e Vitória ingressarem conjuntamente na Libertadores da América do ano que vem.

O momento, de fato, inspira delírios continentais dessa envergadura. No retrato de momento da tabela, o Bahia está na terceira colocação com 11 pontos somados, enquanto que o Vitória ocupa o quarto posto (com um jogo a menos que o rival), com 10.

Em termos de aproveitamento, os números da dupla Ba-Vi se mostram compatíveis com a média histórica das equipes que garantiram vaga no torneio sul-americano.

Para o Bahia, estar no G-4 é um feito inédito na história dos pontos corridos.
Até este ano, o clube jamais havia sequer ultrapassado a faixa dos 10 primeiros colocados desde que regressou da Série B, em 2010. “Ainda estamos em formação, no começo do trabalho. Mas nós queremos muito e vamos longe”, disse o técnico do Bahia, Cristóvão Borges. Sobre as chances reais do Bahia terminar o Brasileiro com uma vaga na Libertadores, Cristóvão preferiu manter os pés no chão. “Isso vai depender do quanto eu conseguir completar um plantel forte e com regularidade”, pontuou.

No Vitória, os jogadores não acham exagero em buscar um lugar entre os quatro primeiros no final do ano. Para o meia Renato Cajá, é uma meta em que todo grupo acredita. “Estamos felizes no G-4 e vamos manter isso. A confiança vai aumentando e quanto mais a gente ficar lá, melhor. É um campeonato difícil e a gente não é cotado para ficar entres os quatro. Porém, vamos contra todos e acreditamos na vaga da Libertadores”, sonhou. A possibilidade cresce com a confiança do técnico Caio Júnior, que já conseguiu tal feito com o Paraná, em 2006. Vale lembrar que o Leão está no G-4 há cinco rodadas, repetindo a boa fase de 2008, quando também tinha acabado de retornar à elite.