Tribuna da Bahia

Índice

“Quando a CBF definiu as chaves, fizemos uma avaliuação e chegamos à conclusão de que o Paraná, a nível de atração, seria o melhor adversário para o torcedor da Jacuipense. Felizmente deu certo e agora vamos trabalhar para fazer uma ótima participação na nossa estreia na Copa do Brasil”.

Desta forma o presidente da Jacuipense, o advogado Felipe Sales Carneiro, 29 anos, que em 2010, criou o projeto para reativar o futebol no clube, parado desde 2006. De volta à elite do futebol baiano em 2015, com a participação no Estadual da 1ª Divisão, o projeto do clube é não é só se manter, mas tentar ocupar um posto até hoje vago, o de “terceira força” da Bahia. Para isso, o clube fechou contrato de cogestão com a HWT Promoções Esportivas com vistas a atingir um novo patamar em excelência.

Mas uma surpresa negativa no final desta temporada. O Jacuipense perdeu o técnico Ricardo Silva, que levou o time até às quartas de final da Série D do Campeonato Brasileiro, e acertou contrato com o Serrano.

Por enquanto o presidente decidiu dar oportunidade a Clebson de Araújo Almeida, o “Beleza”, que coordenava o futebol, e passa a dirigir o time visando a temporada de 2015, com a estreia, no Campeonato Baiano.

Além de Ricardo Silva, deixaram também o Jacuipense o preparador físico Ednílson Sena e mais quatro jogadores: Edmilson Sena, além de quatro jogadores: zagueiro Anderson e os meio-campistas Naldo, Damatta e Sidnei.