WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

maio 2016
D S T Q Q S S
« abr   jun »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  



drupal counter

:: 8/maio/2016 . 20:13

Juazeirense arranca empate com o Flu de Feira e conquista o 3º lugar do Baianão

Bahia Notícias

RobertoCarlos-EvandroGuimaraes-trofeu-do-interior

Além do clássico Ba-Vi, mais um jogo agitou o Campeonato Baiano 2016 neste domingo (8). No estádio Adauto Moraes, a Juazeirense empatou em 1 a 1 com o Fluminense de Feira e conquistou a terceira posição no certame estadual.

Precisando do triunfo, o Touro do Sertão abriu o marcador com Kel aos 38 minutos do primeiro tempo. Entretanto, o atacante Nino Guerreiro, aos 19 minutos, deixou tudo igual e garantiu a vaga do Cancão de Fogo para a Copa do Nordeste 2017.

A Juazeirense volta a campo na próxima quinta-feira (12), quando enfrenta o Botafogo pela Copa do Brasil, às 19:15, no Adauto Moraes.

Vitória segura pressão do Bahia e é campeão

atarde

650x375_bavi_fonte-nova_1633659

Depois de bater o Bahia há uma semana por 2 a 0 no Barradão, o Vitória entrou em campo neste domingo, 8, com a vantagem de perder por 1 a 0 para o rival que, ainda assim, conquistaria o título estadual. E foi o que aconteceu. Em um duelo cercado de jogadas ríspidas e confusões, o Rubro-Negro perdeu na Fonte Nova, mas se sagrou campeão do Baianão 2016. O único gol da partida foi marcado por Feijão, aos 21 minutos do primeiro tempo.

A partida começou em um ritmo eletrizante, como sempre é esperado num Ba-Vi. Logo aos 30 segundos de partida, Feijão levou os marcadores na raça e tocou para João Paulo. O camisa 11 bateu cruzado, e a zaga rubro-negra afastou para escanteio. A jogada esquentou os ânimos da torcida tricolor na Fonte Nova.

Seguindo um esquema ofensivo, o Bahia seguiu pressionando o Vitória. Aos 17, Danilo Pires quase marcou após passe de João Paulo. A pressão continuou e o gol do Bahia ocorreu quatro minutos depois, quando Thiago Ribeiro fez bela jogada individual e tocou para Feijão. O volante apareceu como elemento surpresa e empurrou a bola para o fundo das redes.

Após Feijão abrir o placar, os reservas da dupla Ba-Vi trocaram empurrões na beirada do campo. Na ocasião, o árbitro Leandro Pedro Vuaden expulsou o goleiro Jean, do Bahia.
Como também era esperado, o clássico foi marcado por lances ríspidos. Até fim do primeiro, foram distribuídos oito cartões amarelos, sendo metade para cada lado: Tinga, Éder, Thiago Ribeiro e Hernane, pelo Tricolor; e José Welison, Marinho, Vander e Amaral, pelo Rubro-Negro.

No segundo tempo, o técnico Vagner Mancini fez ajustes táticos e o Vitória se acertou em campo. Aos quatro minutos, Kieza ficou cara a cara com Lomba, mas finalizou em cima do goleiro. A resposta tricolor veio com Danilo Pires, que arriscou chutaço de fora da área, mas Caíque espalmou para fora. Logo em seguida, o arqueiro do Leão fez outra ótima defesa após cabeçada de João Paulo Gomes.
A partir dos 26 minutos, Doriva também promoveu mudanças táticas ao colocar Henrique no lugar de Danilo Pires. Com três atacantes, o Bahia ganhou mais volume de jogo, mas não conseguiu ter a eficiência para furar a defesa adversária.

Jogadores e comissões técnicas de ambos os clubes voltaram a mostar os ânimos exaltados com troca de empurrões, já no final da partida. Por conta da confusão, o árbitro expulsou o zagueiro Lucas Fonseca e o lateral Diego Renan.

outdoor_pq

Santa Cruz é campeão pernambucano

Diário de Pernambuco

20160508175845339195e

Você, tricolor, que ler esse texto saiba. Nenhum outro torcedor coral, em qualquer época, viu uma geração tão vitoriosa quanto a sua. A geração “papapa” agora é papa títulos. Uma semana após levantar a Copa do Nordeste, o Santa Cruz, com um time que faz jus ao coro da arquibancada ao ser chamado de “guerreiro” segurou o 0 a 0 neste domingo contra o Sport, faturando o bicampeonato pernambucano, o quinto título nos últimos seis anos, o quarto em cima do Sport, o terceiro na Ilha do Retiro. Somando também a conquista da Série C, em 2013, são sete títulos desde 2011. A sala de troféus do Arruda precisará ser ampliada. Na atual década nenhum outro clube do Estado fez o que o Santa fez. Hegemônico em Pernambuco..

Para a decisão, onde qualquer falha pode custar o campeonato, os dois treinadores foram conservadores nas escalações. Pelo lado rubro-negro, Oswaldo de Oliveira repetiu a mesma formação que iniciou o jogo de ida, no Arruda, mantendo Everton Felipe no time e deixando Túlio de Melo e Lenis, recuperado de virose, como armas para o decorrer do jogo. Já o tricolor Milton Mendes, trabalhando com a vantagem do empate, optou pelo volante de contenção Wellington Cézar para substituir o lesionado João Paulo, cérebro e coração do time. E o primeiro tempo seguiu o script imaginado, com o Leão buscando pressionar e os corais apostando na construção de um contra-ataque mortal.

Ao Sport, no entanto, faltou corrigir um defeito que vem perseguindo o clube por toda a temporada. Transformar a maior posse de bola em algo concreto, em perigo de gol. Algo que Mark Gonzalez, Gabriel Xavier e Everton Felipe não conseguiram. Além disso, os donos da casa confundiram em alguns momentos motivação com nervosismo. Exemplo disso foi o cartão amarelo recebido por Luiz Antônio ainda aos cinco minutos de jogo ao empurrar Lelê pelas costas, após o tricolor chutar uma bola em cima de Everton Felipe, caído no chão. O lance poderia custar a expulsão do volante rubro-negro, que passou a atuar pendurado.

Já o Santa, sem o seu maestro, buscou atacar sempre que possível, principalmente apostando no lado esquerdo da defesa rubro-negra, falha na marcação com Renê e Mark González. Mas também pouco produziram efetivamente com bolas trabalhadas. Assim, as melhores chances de um truncado primeiro tempo vieram em cobranças de faltas. Na melhor delas, Danilo Fernandes defendeu chute de Tiago Costa, quase no ângulo. Nos minutos finais do primeiro tempo, o Santa ainda perderia Lelê, lesionado. Wallyson foi acionado

Vasco empata contra Botafogo e confirma bicampeonato carioca invicto

Ogol

26831273901_ebc0aa82e4_o

O Vasco manteve sua invencibilidade de mais de seis meses e, com o empate em 1 a 1 contra o Botafogo, diante de 60 mil pessoas, no Maracanã, confirmou o bicampeonato carioca de forma invicta.

A equipe de São Januário ficou com a taça pela vitória no jogo da ida, e conseguiu dois feitos que não alcançava desde o início da década de 1990: um título invicto, e o bicampeonato do Carioca.

O jogo começou pegando fogo. Logo no primeiro minuto, uma chance para cada lado, uma defesa para cada goleiro. A tarefa de Jefferson foi mais tranquila, após o chute fraco de Riascos.

Já Martín Silva teve mais trabalho. Gegê recebeu na canhota da área e bateu com violência. O goleiro uruguaio se jogou e espalmou, para realizar grande defesa.

Ao passar do tempo, as defesas foram se acertando mais. O jogo foi ficando mais pegado também, com faltas e algumas discussões entre os atletas.

O Alvinegro, que precisava do resultado, só foi voltar a colocar Martín Silva para trabalhar aos 42. Bruno Silva pegou rebote na entrada da área e soltou a bomba. Atento, o goleiro uruguaio mais uma vez fez boa defesa.

Martín Silva nada pôde fazer quando, no início do segundo tempo, Leandrinho apareceu na pequena área para, de cabeça, completar cruzamento da direita e mandar para rede. Decisão igualada.

O Vasco respondeu na mesma moeda: bola na área. Madson cavou falta na direita, e Nenê colocou a bola na cabeça de Rafael Vaz, que deixou tudo igual.

O quadro, então, passou a ser o seguinte: o Glorioso partiu com tudo para o ataque, enquanto o Cruz-Maltino apostava nos contragolpes. A peleja ganhou em emoção.

A pressão botafoguense não durou muito tempo, e nem foi efetiva. O time de Jorginho soube segurar bem o resultado, e dar o primeiro título ao treinador. Vasco bicampeão, dessa vez de forma invicta.

Oliveira quebra jejum, Santos segura pressão e leva o Bi Paulista

Gazeta Esportiva

santosfestaaleviannaagenciaelevengp

O Santos é Campeão Paulista pela 22ª vez em sua história. Em uma partida de amplo domínio do Osasco Audax na tarde deste domingo, na Vila Belmiro, o Peixe saiu de campo vencedor graças a gol isolado de Ricardo Oliveira, aos 44 minutos do primeiro tempo. O Camisa 9 não marcava desde 4 de abril, mas, em um rápido contra-ataque, o centroavante deu uma linda caneta em Bruno Silva e só tocou na saída de Sidão.

A vitória coloca o Peixe com o mesmo número de títulos Estaduais que o Palmeiras, apenas cinco taças atrás do Corinthians. É o quinto título Paulista do alvinegro praiano em oito finais seguidas, sendo o sétimo bicampeonato.

Ao Osasco Audax, fica a lição de que a equipe precisa ser mais efetiva com seu estilo de toque de bola que, neste domingo, deu ao time quase 70% de posse de bola em plena Vila Belmiro, mas não foi suficiente para garantir um título histórico da agremiação que tem apenas 11 anos desde sua fundação.

Agora, o Santos deve mais uma vez usar todos seus reservas na quarta-feira, quando a equipe viaja ao Acre para enfrentar o Algavez, na Arena da Floresta, em Rio Branco, às 19h30, pela segundo fase da Copa do Brasil. No sábado, provavelmente com os titulares de volta, o Peixe visita o Atlético-MG, no estádio Independência, em Belo Horizonte, às 18h30, pela estreia no Campeonato Brasileiro.

Enquanto isso, o Audax, que deve ter sua equipe toda desconfigurada, já que só dois jogadores têm contrato com o time de Osasco após o Paulista e tantos outros já se acertaram com grandes equipes do país, se prepara para a disputar a Série D no Nacional, que tem previsão para começar em junho.

13010866_763527323749434_1887758628180687307_n

Lateral novamente é herói, e Coelho é campeão mineiro após 15 anos

Gaeta Esportiva

MPF6561

Enfim, campeão mineiro novamente. Após 15 anos de jejum, o América-MG volta a levantar a taça do Estadual em uma final emocionante no Mineirão, contra o Atlético-MG. Em uma decisão, em que duas expulsões tiveram efeito inverso na partida, o lateral Danilo, autor dos dois gols da vitória americana na partida de ida, por 2 a 1, voltou a ser herói e, no final da partida, marcou o gol do empate por 1 a 1, que deu o 16º título estadual ao Coelho.

Após um primeiro tempo muito equilibrado, em que o Atlético-MG muito pressionou, o zagueiro Tiago acabou sendo expulso na reta final da etapa complementar. Ao contrário do que se previa, o Galo, no embalo de Robinho, abriu o placar com Clayton e seguiu melhor no jogo, provocando a expulsão do zagueiro Alison, do América-MG, no final da partida.

Quando tudo parecia perdido para o América-MG, o novo cartão vermelho novamente pareceu não ter efeito em campo, e na reta final do jogo, o lateral Danilo mais uma vez mostrou estrela, marcando o gol do título do Coelho, que ainda segurou uma forte pressão atleticana no final.

Inter atropela Juventude, confirma hexa e domínio no RS

Terra

comemoracaoeduandradefatopressgp

O Internacional conquistou nesse domingo o terceiro hexacampeonato estadual de sua história. A equipe se impôs no estádio Beira-Rio e atropelou o Juventude por 3 a 0 para ficar com seu 45º troféu estadual. Os gols de Eduardo Sasha, Paulão e Gustavo Ferrareis foram mais do que suficientes para assegurar o título do Campeonato Gaúcho, já que o clube estava em vantagem por ter vencido por 1 a 0 em Caxias do Sul, no final de semana passado.

O título torna Argel Fucks o sexto treinador colorado campeão do Gauchão em seis anos. O primeiro gol do título foi anotado aos 14 minutos, após Sasha concluir de cabeça uma cobrança de falta do lateral direito William. Paulão, aos 24 da etapa complementar, subiu mais alto em novo cruzamento de William para anotar o segundo. Gustavo Ferrareis, aos 37, completou um lançamento de Artur para decretar a vitória do Inter.

Com o troféu, o Inter iguala os feitos de times históricos. Entre 1940 e 1945, a equipe conhecida como “Rolo Compressor” conquistou os seis primeiros títulos estaduais consecutivos do clube. Anos mais tarde, o Colorado de Figueroa e Falcão se sagrou octacampeão do Gauchão entre 1969 e 1976.

Após celebrar o título, o Inter voltará aos treinos para estrear no Campeonato Brasileiro. O primeiro adversário da equipe será a Chapecoense, às 18h30 (de Brasília) do próximo domingo, no Beira-Rio. Já o Juventude estreará na Série C do Nacional contra os gaúchos do Ypiranga, no dia 22 desse mês, em Caxias do Sul.

Maru e Vila, Grêmio e Ponte empatam na rodada do municipal neste domingo (8)

Da Redação

dedei-420 (1)

Dois confrontos foram realizados na manhã deste domingo (8), no estádio Edvaldo Flores, pelo Campeonato Municipal de Futebol, promovido pela LCDT.

Os times do Maru e Vila da Conquista ficaram no empate pelo placar de um a um. Com o resultado o time do Alto Maron caiu para a segunda colocação com dez pontos. Já a equipe do Vila ocupa a décima colocação com cinco pontos.

Ainda pela quinta rodada o Maru enfrenta o Kadija no próximo sábado (14). Já o Vila joga contra o Moicana um dia depois.

As equipes do Grêmio e Ponte Preta também empataram pelo escore de dois a dois. Com o empate o time do Alto Maron permanece na terceira colocação com oito pontos, Já a equipe das Pedrinhas segue na quarta com os mesmos números de pontos, porém, perdendo nos critérios de desempate.

O curioso deste confronto foi que a Ponte Preta jogou com doze jogadores até os quinze minutos da primeira etapa até o diretor de arbitragem Djalma Lima (Mongoio) comunicar o árbitro Francisco Almerindo.

Na próxima roda o Grêmio joga contra o Vitória da Conquista no dia 28/05. Enquanto a Ponte enfrenta o Santos no dia 21/05.

Confira a classificação:

13178723_568366913340791_1063896578226111952_n

unimarc-modelo-4

Na Fonte Nova, Bahia e Vitória voltam a se enfrentar para decidir o Campeonato Baiano

Bahia Notícias

IMAGEM_BAHIA_5

Uma semana depois, Bahia e Vitória voltam a se encontrar. Neste domingo (8), Dia das Mães, as equipes se enfrentam na Arena Fonte Nova, às 16h, para definir o título do Campeonato Baiano. No último domingo (1º), o rubro-negro foi superior e venceu por 2 a 0, no Barradão (relembre aqui).

Em desvantagem, o Bahia precisa vencer o Vitória por dois gols de diferença. O discurso da semana no Fazendão foi a de mudança de atitude. Um dos mais experientes da equipe comandada por Doriva, Thiago Ribeiro acredita que será preciso fazer o melhor jogo de 2016 para conquistar a taça.

“Para esse jogo, vamos ter que jogar mais do que estamos jogando. O time vai ter que render mais. Precisamos vencer por dois gols e, em um clássico, não podemos render o que estamos rendendo. Se pegar os jogos que vencemos bem na temporada, não vai dar. Precisamos fazer o melhor jogo da temporada até aqui. Se todo mundo render o que pode, temos condições de conseguir o título. Analisando friamente, o 2 a 0 não é um resultado fácil de fazer, ainda mais sabendo da necessidade. É altamente alcançavel esse objetivo”, afirmou.

O tricolor deve ir com algumas mudanças para a decisão. O volante Paulo Roberto deve entrar na vaga de Juninho, enquanto João Paulo Gomes deverá atuar no meio de campo substituindo o atacante Edigar Junio, que teve um estiramento muscular e provavelmente estará vetado do jogo. As alterações no time caracterizam uma mudança tática.

Pelo lado do Vitória, o técnico Vagner Mancini adotou a tática do mistério e só irá revelar a equipe minutos antes da partida. No entanto, a tendência é que ele não faça alteração no time em relação ao primeiro jogo da final. Para ficar com o título, o Leão pode até perder por um gol. Porém, o comandante Rubro-negro ignora essa vantagem.

Quem merece mais? Vasco e Botafogo decidem cheios de motivos por título

Globo Esportes

ribamar_e_rodrigo

Vamos falar de merecimento. Quem merece mais o título Carioca que será disputado neste domingo, às 16h (de Brasília), no Maracanã? Vascaínos e botafoguenses têm seus argumentos para justificar a coroação de uma trajetória com muitos pontos em comum, mas que terminará com o sorriso em apenas um dos lados. Foram eles os que renegaram a Primeira Liga em nome do estadual, foram eles que valorizaram a competição, foram eles que dividiram até o mesmo estádio de São Januário na caminhada até a finalíssima. Vasco e Botafogo têm seus motivos para acharem mais dignos do brasão de melhor do Rio de Janeiro até o verão do ano que vem e ninguém é capaz de negar isso

Pela campanha invicta que não acontecia desde 1992. Pelo bicampeonato que não acontece desde 1993. Pela escolha de Jorginho, que recusou o Cruzeiro pela estabilidade no clube. Pelo desempenho de Nenê, craque do campeonato. Pela vantagem do empate de quem venceu o primeiro jogo por 1 a 0. Pela volta por cima de Riascos, de vaiado a goleador. Pelo apoio do torcedor, que dormiu na fila e lotou aeroportos pelo Brasil. Pela recuperação após o rebaixamento, o Vasco merece, sim, esse troféu.

Motivos também não faltam para o título ir para General Severiano. Por Ricardo Gomes, que com um elenco limitado fez um trabalho extraordinário, deu nova cara ao time e pode se afirmar de vez com o segundo troféu em menos de um ano após retornar ao futebol. Por Jefferson, que renegado por Dunga fez do Botafogo sua seleção. Por Ribamar, jovem da Cidade de Deus que subiu em janeiro para completar os treinos e tornou-se uma das sensações do campeonato. Pela torcida, carente de ídolos e sofrida com um rebaixamento melancólico para a Série B há pouco mais de um ano. Pela juventude alvinegra, que provou ser capaz de suprir a ausência de medalhões e levou o time à decisão.

A finalíssima será comandada pelo árbitro Leonardo Garcia Cavaleiro, auxiliado por Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa e Dibert Pedrosa Moisés.

Na Vila, Santos e Audax jogam pelo título e por história no Paulista

Terra

00865339-1024x682

Quando o árbitro Raphael Claus soar o apito às 16 horas (de Brasília) deste domingo, na Vila Belmiro, Santos e Grêmio Osasco Audax iniciarão o segundo e decisivo jogo pela final do Campeonato Paulista da temporada 2016. De um lado, estará um gigante acostumado a disputar e erguer troféus. Do outro, um jovem clube de apenas 11 anos de idade que buscará a glória: a inédita conquista da elite do estadual mais importante do Brasil.

É certo que o campeão de domingo escreverá história. Em caso de título alvinegro, o Santos, que defende o título de 2015, igualará o Palmeiras, com 22 taças do Paulista, tornando-se o segundo maior vencedor, atrás somente do Corinthians, que acumula 27. Já o Audax estará, de vez, na seleta lista de equipes consideradas menores que conseguiram desbancar os grandes do estado.

O ato final começou a ser escrito no último final de semana, em Osasco, onde as duas equipes empataram por 1 a 1. Caso a igualdade se repita em Santos, os dois times selecionarão seus cinco melhores batedores de pênaltis para definir o Paulista.

A promessa é de um grande duelo, com as duas agremiações buscando o gol a todo instante, segundo Dorival Júnior, técnico do Peixe, que faz mistério sobre sua principal estrela, o meia Lucas Lima, ainda em tratamento para se recuperar de uma lesão no tornozelo direito, deflagrada durante a primeira final. Ronaldo Mendes, autor do tento de empate no Estádio José Liberatti, assumirá a vaga caso o jogador da Seleção Brasileira não reúna condições de jogo.

11990482_677264472375720_7526595543322411409_n1

Em final imprevisível no Mineirão, Galo e Coelho duelam pelo título estadual

Gazeta Esportiva

26484397840_341b0a3500_o-1024x683

No domingo, o 44º título do Galo ou 16º troféu do Coelho ganharam as manchetes após a finalíssima entre clubes pelo Campeonato Mineiro, marcada para 16h (de Brasília), no Mineirão. Até lá nada menos que prognósticos e palpites vão habitar a decisão entre os rivais, tendo em vista o cenário completamente imprevisível da final estadual.

No primeiro jogo, o Coelho venceu por 2 a 1, no Independência, e precisa de apenas um empate para a levantar a taça. A missão do Atlético-MG, contudo, não é tão complicada, já que qualquer vitória assegura ao Galo o bicampeonato estadual.

O bom desempenho histórico contra o rival no Mineirão também garante ao Atlético-MG uma confiança a mais para domingo, já que nos últimos nove jogos entre as equipes no estádio, o Galo venceu seis e não perdeu nenhuma partida. Para o lateral Douglas Santos, o clube alvinegro é favorito também em razão da maior presença de atleticanos, que esgotaram a carga de ingressos para a final, e também pelas recentes reviravoltas em duelos decisivos protagonizadas pela equipe nos últimos anos.

Pelo lado do América-MG, o jejum de títulos estaduais é o principal combustível dos jogadores. O clube mineiro não vence o campeonato local desde 2001, quando venceu o próprio Atlético-MG no Mineirão, naquela que foi a sua última vitória sobre o rival no estádio. Convém destacar que, em 2012, na mais recente final estadual disputada pelo Coelho, os clubes fizeram a decisão do Campeonato Mineiro no Independência, com Galo levando a melhor.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia