Terra

O Cruzeiro está em vantagem na final do Campeonato Mineiro. Neste domingo, no Mineirão, o time aproveitou a condição de mandante para derrotar o Atlético por 2 a 1, em jogo com gols de Marquinhos Gabriel, Ricardo Oliveira e Léo. Agora, precisa de um empate no próximo sábado para faturar o bicampeonato estadual.

Isso significa que se o título vier, será de modo invicto para o que Cruzeiro, que ainda não perdeu no Mineiro. Já qualquer vitória dará o título ao Atlético, que tem essa vantagem por ter realizado campanha melhor na primeira fase da competição. O clube, mandante da partida decisiva, ainda não definiu se realizará o clássico no Mineirão ou no Independência.

Foi uma final quente e cheia de polêmicas. O Atlético reclamou de um pênalti não marcado no fim do primeiro tempo e também que o árbitro Wagner do Nascimento Magalhães errou ao marcar escanteio no lance do segundo gol do Cruzeiro. Já Fred teve um gol anulado, por tocar a mão com a bola, o que a arbitragem assinalou a partir do uso do VAR. Além disso, o clima esteve quente entre os times, sendo que 11 jogadores terminaram o clássico amarelados e dois – Rafinha e Adilson – foram expulsos.

O placar pode ser explicado pela postura das equipes. O Cruzeiro foi mais ofensivo, atacando em quase todos os momentos do clássico, embora tenha sofrido com alguns contra-ataques do rival, só recuando nos minutos finais, além de ter contado com uma inspirada atuação de Marquinhos Gabriel.

Já o Atlético, em crise após a demissão de Levir Culpi e por estar em situação complicada na Copa Libertadores, foi cauteloso mesmo quando esteve em desvantagem. Sofreu, ainda, ao perder por lesão dois dos seus principais jogadores – Cazares e Luan -, mas contou com o 12º gol de Ricardo Oliveira em 15 jogos na temporada para seguir vivo no Mineiro.