Terra

Uma eventual mudança nos Jogos Olímpicos de 2020 para 2021 causará impacto a todos os atletas de uma forma geral. Porém, no caso do futebol masculino, há uma situação específica: o limite de idade.

Para a edição prevista para Tóquio 2020 (que ocorriria entre 24 de julho e 9 de agosto), só poderiam ser inscritos quem ter sido nascido a partir de 1 de janeiro de 1997, só havendo três exceções.

Caso a lógica seja a mesma em um possível adiamento de um ano dos jogos, só ficariam liberados para atuar sem contar os três jogadores mais experientes, os atletas que nasceram a partir de 1 de janeiro de 1998.

Neste cenário, 12 dos 23 jogadores que participaram do Pré-Olimpico só estariam à disposição da seleção brasileira com exceções. São os goleiros Ivan e Cleiton, os laterais Iago e Caio Henrique, os zagueiros Ricardo Graça, Nino e Robson Bambu, os meio-campistas Maicon, Bruno Henrique e Matheus Henrique e os atacantes Pepê e Bruno Tabata.

Além deles, jogadores como Gerson, Lucas Paquetá, Richarlison, David Neres e Gabriel Jesus, todos nascidos em 1997, também se encontrariam na mesma situação.

No último domingo (22), o Comitê Olímpico Internacional (COI) admitiu a possibilidade de adiar os jogos e falou que tomará uma decisão em quatro semanas. O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) manifestou publicamente seu desejo de que a Olimpíada ocorra no meio de 2021.