WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
vitoria da sorte


vitoria da sorte

maio 2020
D S T Q Q S S
« abr   jun »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  



drupal counter

:: 19/maio/2020 . 19:40

Clubes do Nordeste arrecadam R$ 100 mil em campanha contra a fome

Correios

A união do futebol nordestino para ajudar as famílias vítimas da fome por conta dos impactos causados pelo novo coronavírus tem surtido efeito. A campannha lançada pela Liga do Nordeste em parceria com a Ação Cidadania já conseguiu arrecadar R$ 100 mil em doações, o que significa 100 mil pratos de comida que vão ser distribuídos para quem precisa.

O valor ultrapassa a primeira meta da campanha, que era de R$ 75 mil. O objetivo total da ação é chegar a R$ 1 milhão. Todo o recurso arrecadado vai ser usado para para suprir as necessidades dos moradores nordestinos.

A campanha “Futebol do Nordeste contra a fome’ foi lançada em abril e conta com o engajamento dos times do Nordeste, em conjunto com o trabalho que já é realizado em pela Ação Cidadania em todo o Brasil.

“Temos certeza de que a união do Futebol do Nordeste, que sempre fez a diferença inclusive na criação e realização de um campeonato único no Brasil, vai ser fundamental também nesse momento delicado que o mundo todo está vivendo”, acredita Eduardo Rocha, presidente da Liga do Nordeste.

A campanha para doações vem sendo postada nas redes sociais da Copa do Nordeste, dos clubes e de todos os parceiros que quiserem contribuir com divulgação e doações.

Coronavírus: atacantes têm maior risco de contaminação em campo, diz estudo

Ig Esportes

Um estudo da Universidade de Aarhus, na Dinamarca, aponta que os atacantes têm maior risco de contaminação pelo coronavírus no retorno do futebol. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram as movimentações em campo a fim de determinar em qual posição atuam os jogadores que passam mais tempo a menos de 1,5m de outro.

Os atacantes de área ficam, em média, dois minutos em proximidade com outros jogadores, embora esse número possa chegar a até 11 minutos de exposição em alguns casos. O “ranking de risco” segue com zagueiros, meio-campistas até chegar aos goleiros, que são os mais protegidos.

Cada partida foi analisada pelos pesquisadores como se apenas um atleta tivesse contaminado pelo coronavírus. O estudo concluiu, após 15.750 combinações, que um jogador passa em média quase 88 segundos (pouco menos de um minuto e meio) próximo a alguém infectado. Caso mais de uma pessoa em campo tenha o vírus, esse risco precisa ser multiplicado pelo número de infectados.

— Primeiramente, pensei que eram números pequenos, mas analisando de perto notei que há diferenças muito grandes entre as posições. Há jogadores que passam segundos e outros que ficam até 11 minutos [expostos ao vírus] — explica o professor-associado Thomas Bull Andersen, um dos líderes do estudo, ao jornal “Daily Mail”.

O estudo considerou apenas a proximidade de um jogador com outro infectado, e não levou em conta o risco de contaminação sucessiva entre eles, nem através do contato com a bola. Constatou-se ainda que os atletas têm maior risco de infecção por um rival do que por um campanheiro de time: um lateral-esquerdo, por exemplo, passa mais tempo em contato com o ponta-direita do time adversário.

Apesar disso, especialistas argumentam que os números apontados pelo estudo revelariam um baixo risco de contaminação. A Organização Mundial da Saúde acredita que mais de 15 minutos de exposição acumulada representariam um alto risco de transmissão.

Copa Europeia da Solidariedade: gigantes se unem em torneio para caridade

Terra

E o futebol vai se unir, novamente, em prol de um bem maior. Nesta terça-feira (19), foi anunciado de maneira oficial a Copa Europeia da Solidariedade. O torneio está previsto para ser disputado em 2021 e vai reunir gigantes do esporte da bola redonda.

Os três participantes também foram divulgados: Real Madrid, Internazionale e Bayern de Munique. Todo o dinheiro arrecadado na competição será destinado aos sistemas de saúde pública de Itália e Espanha, dois dos países europeus mais afetados pela pandemia do coronavírus Covid-19.

Assim, os recursos serão utilizados para a compra de medicamentos e equipamentos, como uma espécie de “gratidão” aos profissionais de saúde, arriscando a vida todos os dias no combate ao vírus.

As partidas serão disputadas nas três cidades: Madri, Milão e Munique sediarão, cada uma, um jogo. A expectativa da organização do torneio é de que, como os duelos acontecerão só em 2021, isso possa significar que torcedores serão capazes de assistirem a competição dentro dos estádios, cujos portões não serão fechados.

Tais informações foram confirmadas em uma nota oficial divulgada pelo Real Madrid: “Os três clubes irão se juntar para arrecadar fundos e passar uma mensagem de solidariedade e fraternidade a toda a Europa em 2021. A data exata vai depender do calendário da temporada e de quando torcedores serão liberados para voltarem aos estádios.”

Dos três participantes, o Bayern é o único que já voltou às atividades nesta temporada: a Bundesliga voltou e os bávaros reestrearam diante do Union Berlin, vencendo por 2 a 0. Tanto a Serie A italiana quanto a La Liga espanhola ainda não tem nenhuma previsão oficial de retorno.

Presidente da Federação Alemã de Futebol propõe limites salarias aos clubes

MSN

Fritz Keller, presidente da Federação de Futebol da Alemanha (DFB, sigla em alemão) propôs limites salariais para ajudar a tornar o esporte mais sustentável. Segundo o dirigente, a pandemia do coronavírus apresentou a oportunidade de implementar reformas para o futuro.

No sábado, a liga alemã se tornou a primeira da Europa a ser retomada após a suspensão do futebol por causa da pandemia da covid-19. Jogadores, técnicos e funcionários foram submetidos a exames completos.

“Temos de aproximar o futebol profissional das pessoas novamente”, disse Keller, em um comunicado no site da federação. “Temos que pensar em um teto salarial. Comissões para consultores de jogadores e enormes quantias de transferências irritam cada vez mais nossa sociedade e deixam nosso amado esporte alienado”, acrescentou o dirigente.

Ele disse que o futebol alemão precisava ser autocrítico, e que a crise por causa da covid-19 “oferece a oportunidade de olhar para o futuro e reposicionar o futebol”. “Vejo o futebol como responsável por contribuir. Testes preventivos em larga escala podem ajudar a conter a pandemia até que uma vacina seja desenvolvida. A política e a ciência devem decidir em favor da prevenção testes, o futebol dará sua contribuição para o sucesso desta medida: com seu poder unificador, popularidade, logística e infraestrutura.”

Sem resposta da CBF, clubes da Série B vão se reunir para tentar socorro financeiro

Globo Esportes

Ainda sem resposta sobre um pedido de socorro financeiro à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), os clubes da Série B vão se reunir para traçar uma nova estratégia de contato com a entidade na busca por ajuda no período de paralisação do calendário do futebol.

Segundo o presidente do Náutico, Edno Melo, o documento enviado pelos times da Segundona há cerca de duas semanas não teve retorno. O prazo esperado para a resposta era até a última sexta-feira.

“Não se manifestaram em momento nenhum”, afirmou Edno Melo.
Através da assessoria de imprensa, a entidade máxima do futebol brasileiro definiu que, nesse momento, não vai se manifestar sobre o caso.

Dentre outras medidas, as diretorias solicitam um socorro de R$ 60 milhões para auxiliar nas contas. Segundo o gestor alvirrubro, os clubes ainda vão definir a data da reunião para debater uma saída para a crise financeira.

No começo do mês de abril, a CBF anunciou uma série de medidas financeiras para os clubes durante a paralisação provocada pela Covid-19.

Nela, os times da Série B poderiam antecipar os R$ 600 mil referentes ao valor pelos direitos de transmissão. Na ocasião, o próprio presidente do Náutico se manifestou contra a medida afirmando que não houve ajuda. Apenas uma antecipação de um valor já assegurado.

Futebol é espetáculo?

Uol

Cabe uma breve reflexão: o futebol é um espetáculo?

O que vemos como expressões concretas que levam o futebol a ser considerado um espetáculo não se resumem apenas ao que acontece dentro do campo, mas especialmente ao comportamento das torcidas. Ora, se um jogo é ruim, o público vaia; se estiver bom, ovaciona. Só não podemos rotular isso com esteriótipos de alguns costumes europeus, como os torcedores que lotam as arquibancadas, permanecem sentados e suas maiores manifestações são de gritos e aplausos – como se estivessem assistindo a um musical – porque isso, sim, caracteriza “o espetáculo”. Sabemos bem, no entanto, que essas peculiaridades vão muito mais além disso – com gestos, gritos e cantos, por exemplo –, mas o mais importante a frisar é que sempre haverá uma manifestação de torcedores em função daquilo que eles vêem.

Aprofundando a discussão do ponto de vista do espectador, é possível afirmar que isso só acontece porque o futebol é um produto da cultura de massa. Sempre esteve e estará voltado ao público para atender necessidades básicas de satisfação. E, é claro, vale ressaltar que isso também é valorizado em função da distribuição de informações, consumidas pela massa, realizada diariamente pelos veículos de mídia – os maiores responsáveis pela expansão cultural do esporte por todo o mundo.

Agora, em tempos de quarentena, é possível afirmar que esse ‘espetáculo’ teve o seu fim? Afinal, não há mais público… Resposta: Não, porque já sabemos que os grandes veículos de comunicação são importantes para a disseminação desses eventos. O que podemos concluir é que o futebol não se trata apenas de apenas um esporte. Ele influencia o comportamento da sociedade e passa a ser um gigantesco elemento da indústria cultural. Justamente por isso, suas definições podem ir desde uma prática de lazer até ser tratado por muitos como uma religião.

Possibilidade de Liga dos Campeões em agosto coloca franceses em dilema

Uol

A Uefa já informou a Paris Saint-Germain e Lyon que tem a intenção de finalizar a Liga dos Campeões em agosto. São justamente os times franceses que protagonizam o ponto mais delicado na tentativa de conclusão do torneio. O encerramento da temporada do futebol no país faz com que os clubes enfrentem um dilema sobre como e quando voltar aos treinos em meio à pandemia do novo coronavírus.

No momento, PSG e Lyon seguem sem atividades programadas à espera de uma definição sobre a Liga dos Campeões. No caso do clube parisiense, por exemplo, Neymar e Thiago Silva estão no Brasil, ainda sem previsão de retorno à França. Espera-se que as atividades recomecem no mais tardar na segunda quinzena de junho.

“Normal ainda não ter o treino. Eu não sei no que vou focar. É ruim não ter um propósito para isso. Todos no Lyon estão esperando um sinal verde para que possamos jogar”, disse o volante brasileiro Bruno Guimarães, em entrevista ao Esporte Interativo.

A ideia Uefa, já discutida entre os clubes participantes, é criar uma “Super Champions” para finalizar rapidamente a disputa. A competição foi interrompida com PSG, Atalanta, Atlético de Madrid e Leipzig já garantidos nas quartas de final. Os confrontos de oitavas de final ainda pendentes eram Real Madrid x Manchester City, Barcelona x Napoli, Lyon x Juventus e Bayern de Munique x Chelsea.

Presidente da Uefa, Aleksander Ceferin avalia ser precipitada a atitude do governo francês de impedir a realização de esportes coletivo no país até setembro. Os argumentos utilizados pelo dirigente são o retorno do Campeonato Alemão, que ocorreu no fim de semana, e dos treinamentos da elite do futebol na Itália, Espanha e Inglaterra.

Pandemia pode levar à convergência entre projetos de lei sobre futebol, diz senador

Globo Esportes

O senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) é o autor de um dos dois projetos de lei que estimulam a transformação de clubes de futebol em empresa. O outro, do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), já foi aprovado na Câmara dos Deputados, mas está travado no Senado.

Em linhas gerais, os projetos são diferentes. O de Pacheco prevê a criação de um tipo societário específico para o futebol, a Sociedade Anônima do Futebol (SAF), enquanto o de Pedro Paulo promete acesso a benefícios (fiscais, trabalhistas etc) para que os clubes troquem a estrutura de associação civil e migrem para a de empresa, nos modelos já existentes, como limitada ou sociedade anônima.

Mas a pandemia do novo coronavírus e as consequências nefastas para o mercado do futebol brasileiro trouxeram à mesa uma possibilidade que parecia impossível antes: a convergência entre os projetos. É o que diz o senador Rodrigo Pacheco nesta entrevista concedida ao GloboEsporte.com por e-mail.

Após vencer o coronavírus, Índio revela: ‘Tive medo de morrer’

Correios

Ídolo do Vitória, Índio passou por grandes emoções ao longo da carreira de jogador de futebol, mas nenhuma tão intensa quanto à vivenciada nas últimas semanas. “Tive medo de morrer”, revela em entrevista ao CORREIO, após vencer o novo coronavírus. “Eu já tô bem, sem sintoma nenhum”, comemora.

Aos 38 anos, o ex-atacante está em fase final de recuperação da covid-19. Está isolado em um quarto da casa onde mora com a esposa Meireany, em Fortaleza. “Não estou sentindo mais nada, mas sigo isolado, porque não sei se ainda estou com o vírus. Minha esposa não fez os exames, mas ela não teve sintomas, só uma gripe. Vou voltar ao hospital daqui a uma semana para fazer novos exames”, explica.

Bem disposto e já sem fazer uso de medicação, Índio recorda o sofrimento provocado pela doença. “Tive falta de ar, cansaço, febre e dor no corpo. Foram 10 dias difíceis, sem me alimentar direito, sem sentir gosto. Colocava uma colher de comida na boca e já me sentia satisfeito. Fiquei muito mal mesmo, foi forte”, relata. “Não desejo nem para o meu pior inimigo”.

Índio esteve internado na capital cearense por três dias, no Hospital São José de Doenças Infecciosas. “Estava passando muito mal, com todos os sintomas. Não sabia o que era e minha esposa me convenceu a ir ao hospital, mas chegando lá não consegui ser atendido, não tinha vaga, leito, estava muito lotado. Fiquei com medo de acontecer alguma coisa mais grave comigo. Os atendentes diziam que não tinha como atender, porque o hospital estava muito cheio. Me bateu um desespero”, admite.

O atendimento foi viabilizado por um familiar. “A tia de minha esposa trabalha nesse hospital. Ela conseguiu falar com o médico pra ele me examinar. Quando ele me atendeu, já foi dizendo que era pra me internar, que eu estava com 100% de suspeita. Fiz o exame e deu positivo”.

Na unidade pública, o ídolo rubro-negro temeu pela própria vida e teve conhecimento da morte de outro paciente. “Não presenciei, mas ouvi dizendo que o médico estava indo dar o laudo. Tinha muita gente usando respirador, oxigênio. Fiquei com pânico, é uma situação muito difícil”, lamenta Índio, que não precisou fazer uso de respirador.

“Senti falta de ar leve, mas o cansaço era mais persistente. Logo que cheguei, não conseguia nem dar dois passos que sentia falta de ar. Eles colocaram um aparelho no meu dedo para monitorar a saturação, porque se baixasse demais teria que usar o oxigênio, mas a minha saturação estava boa e não precisei. Tinham outras pessoas piores que estavam precisando”.

Índio teve alta no último dia 7 e continuou fazendo uso de medicação em casa. “Fiquei muito aliviado. Quando falaram que eu ia me internar, bateu o desespero, mas logo no segundo dia eu já estava me sentindo melhor. No terceiro, eles já viram que não tinha mais necessidade de ficar internado, porque estava tomando espaço de outros que estavam com sintomas mais avançados”.

Alerta em Conquista: Tem muita gente fazendo atividade física na Olívia Flores sem máscara

Blog do Rodrigo Ferraz

Mesmo com as recomendações para só sair de casa se for por necessidade, todos os dias, a qualquer momento, os tradicionais calçadões e pista de ciclismo da Avenida Olívia Flores, em Vitória da Conquista, estão sempre com muito movimento.

Tudo bem que não há nenhuma proibição quanto a prática de exercícios ao ar livre no município. O maior problema é que a maioria das pessoas que têm praticado caminhada, corrida, ciclismo, musculação e outras atividades físicas neste trecho da cidade não têm usado máscara para se proteger e proteger aos outros, o que pode configurar em aglomerações sem nenhuma precaução.

Essas observações e reclamações partem de internautas que passam pelo trecho todos os dias porque moram na localidade e estão preocupadas. Eles ainda sugerem que a prefeitura deveria determinar a obrigatoriedade do uso de máscara para a prática de atividades físicas ao ar livre em Vitória da Conquista.

Costa Rica é o primeiro país nas Américas a retomar futebol após paralisação na pandemia

Bahia Notícias

Nesta terça-feira (19), o futebol será retomado pela primeira vez em um país das Américas depois da interrupção em boa parte do mundo. A Costa Rica vai voltar com seu campeonato nacional com duas partidas no primeiro dia de retorno e mais quatro jogos na quarta-feira (20).

“Recebemos autorização para poder retomar a competição com grande alegria, mas também com grande responsabilidade “, contou o presidente da Federação da Costa Rica, Rodolfo Villalobos , à Rádio Internacional Francesa. “Responsabilidade perante a sociedade, as autoridades e também internacionalmente. Muitos países prestarão atenção ao que vai acontecer na Costa Rica”, declarou o dirigente sobre o retorno do esporte no continente americano desde a paralisação devido a Covid-19. As informações da entrevista foram disponibilizadas pelo jornal francês L’Equipe.

No último dia 12 de maio, a União Nacional de Futebol do país aprovou o protocolo de medidas sanitárias para que as sete rodadas de jogos que faltam para finalizar o torneio nacional pudessem voltar a acontecer. As partidas aconteceram com portões fechados para a torcida e restrições para imprensa local. A Costa Rica, até agora, não foi amplamente afetado pelo coronavírus. Com cerca de cinco milhões de habitantes, o país apresenta 863 casos confirmados, mais de 500 recuperados e dez mortes pela doença.

Na América Central, a Nicarágua não chegou a interromper seus jogos durante a pandemia, tendo finalizado a temporada no último dia 10 com o Real Estelí sendo campeão. Cuba, Bermudas e Guiana Francesa também permaneceram suas competições mesmo durante a crise mundial.

Sem torcida, fator casa é minimizado em retorno da Bundesliga

Ig Esportes

O Alemão foi o primeiro entre as principais campeonatos na Europa a retomar as atividades em meio à pandemia do coronavírus. A 26ª rodada de Bundesliga foi finalizada nesta segunda-feira (18) com o triunfo do Bayer Leverkusen, fora de casa, diante do Werder Bremen. Esta foi a tônica nesta primeira rodada da ‘nova era’ do futebol, com um peso menor do mando de campo, embora seja cedo para cravar uma tendência.

Sem torcida nos estádios, apenas um dos mandantes saiu vitorioso em nove duelos. Na caça ao líder Bayern de Munique, a equipe do Borussia Dortmund não deu a menor chance ao Schalke, no Clássico do Vale do Ruhr, e venceu o confronto por 4 a 0.

Já o até então terceiro colocado, RB Leipzig, recebeu o Freiburg e teve muitas dificuldades para balançar as redes do adversário. Depois de sair atrás no marcador, chegou ao empate com gol de Poulsen.

O líder Bayern também se aproveitou da ausência da apaixonada torcida do Union Berlin para controlar o adversário em ritmo de jogo treino. Vitória tranquila por 2 a 0 e liderança no Campeonato Alemão mantida. O terceiro na tabela, Borussia Monchengladbach, venceu fora de seus domínios o Eintracht Frankfurt.

Outras duas equipes saíram vitoriosas atuando longe de casa. O Hertha Berlin contou com belo gol de Matheus Cunha para bater o Hoffenheim, por 3 a 0, e o Wolfsburg triunfou sobre o Augsburg. O único 0 a 0 da rodada aconteceu no duelo entre Fortuna Düsseldorf e Paderborn.

Ainda é cedo para prever o impacto da ausência de torcedores para os donos da casa, mas é algo para prestar atenção no restante da Bundesliga.

comercial tommacon



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia