Super Esportes

Enquanto os clubes da capital, aos poucos, vão retomando as atividades depois do período de férias forçadas pela pandemia do novo coronavírus, a Federação Mineira de Futebol trabalha nos bastidores para acertar uma data para o retorno do Estadual. O presidente da FMF, Adriano Aro, revelou que há um plano de encurtar as datas, com semifinal e decisão disputadas em partida única. A ideia, segundo ele, é encerrar o campeonato dentro de campo.

Adriano Aro participou de uma live e disse que a FMF trabalha com a possibilidade de retomar o Campeonato Mineiro no início de junho. Mas ele deixou evidente que precisa de um entendimento entre governo estadual e as administrações municipais, além da esfera federal e da própria CBF, para a retomada do futebol.

“Pelo que tenho visto e pelas conversas que tenho tido com a Secretaria de Saúde, e sendo realista, diria que na primeira semana de junho (o Mineiro poderia voltar). Mas tudo depende do cenário, pois a volta não depende só do governador. É importante esclarecer isso. Além do governador, o prefeito tem que dar o aval também”, destacou o dirigente.

“Em BH eu tenho conversado com o prefeito Alexandre Kalil e ele disse que aqui não teremos a volta do futebol tão cedo. Isso é complicador para essa volta. Tenho conversado com o presidente Rogério Caboclo (da CBF), fizemos muitas reuniões com presidentes de federações, o grande desafio da CBF é que, para voltar com as competições nacionais, é preciso de homogeneidade em termos de federações”, acrescentou

Adriano detalhou parte do plano para retomada do futebol em Minas. A pretensão da FMF é que o Módulo I seja finalizado em campo, com datas mais curtas. No caso, uma opção seria a realização de semifinal e final em sistema de jogo único, em vez de ida e volta, como previsto no regulamento.

“Para terminar o Módulo I, precisamos de seis datas. Existe uma possibilidade de fazer semifinal e final em jogo único. Isso não está descartado, pois encurtaria para quatro datas, ou seja duas semanas, que poderiam ser feitas da seguinte maneira: uma data, duas datas, e se começarem os campeonatos nacionais, intercalá-las às outras datas. Pois aí teríamos menos equipes. A federação não trabalha com a hipótese não terminar o Campeonato Mineiro”, frisou.

Outra preocupação do dirigente é o contrato com a TV detentora dos direitos de transmissão do Estadual. Adriano Aro disse que os clubes têm cotas de partidas a cumprir. “Trabalhamos com a hipótese de término do Mineiro, até porque as equipes já receberam integralmente o valor da cota da televisão. E por contrato, elas são obrigadas a cumprir um número mínimo de jogos. Claro que tudo isso será feito se tivermos condição de saúde para todos”, comentou.