WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
vitoria da sorte


vitoria da sorte

junho 2020
D S T Q Q S S
« maio   jul »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  



drupal counter

:: 15/jun/2020 . 19:00

Fifa discute dia 25 mudar calendário de seleções e adiar Mundial de Clubes

Uol

A cúpula da Fifa vai discutir no dia 25 de junho o calendário do futebol e pode, por exemplo, anunciar o cancelamento de suas datas-Fifa em 2020 e o adiamento do Mundial de Clubes, marcado para dezembro no Qatar.

O Conselho se reúne virtualmente daqui a dez dias, em sua primeira reunião do ano — a primeira, marcada para março em Assunção, foi cancelada por causa da pandemia do novo coronavírus. O encontro será importante porque também debaterá as contas da entidade, números que serão revelados em setembro durante o Congresso virtual, e também será escolhida a sede da Copa do Mundo feminina de 2023 — o Brasil desistiu na semana passada dessa disputa.

A Fifa avalia cancelar as datas-Fifa, aquele período em que há jogos entre seleções, do restante do ano. São três, uma entre agosto e setembro, outra em outubro e a última em novembro. Isso faria com que a seleção brasileira não entrasse em campo em 2020, já que as data-Fifas de março, que marcaria o início das Eliminatórias da América do Sul para a Copa de 2022 no Qatar, e de junho já foram canceladas.

Como debaterá calendário, há expectativa entre membros do Conselho de que a secretaria-geral coloque em pauta o Mundial de Clubes de dezembro. Como mostramos em abril, a incerteza de que campeonatos como a Libertadores terminarão até novembro faz a Fifa estuda adiar para dezembro de 2021 o torneio ainda com sete participantes marcado para dezembro no Qatar. As confederações pediram para a Fifa não adiar a competição, ou esperar ao máximo para fazer isso, mas o tempo está encurtando e é preciso dar resposta aos patrocinadores.

A ideia da Fifa é apresentar o calendário modificado até 2024, com novas datas-Fifa e períodos dos torneios adiados. Por enquanto, a ideia é não alterar nada da Copa do Mundo do Qatar, marcada de 21 de novembro a 18 de dezembro de 2022. Também não há planos de modificar o mês marcado para sorteio dos grupos da Copa, agendado para abril de 2022

Uefa define sede da reta final da Liga dos Campeões com jogos únicos em agosto, diz TV

Uol

Mais um importante veículo europeu crava Lisboa como sede da reta final da Liga dos Campeões. Nesta segunda-feira, 15, a Sky Sport Italia afirmou que a capital portuguesa foi escolhida pela Uefa para receber o restante da competição, com jogos únicos e sem público das quartas de final até a grande decisão. De acordo com a emissora italiana, o anúncio será feito na próxima quarta-feira, após a reunião agendada do Comitê Executivo da Uefa.

Os jogos que faltam deverão ser realizados no estádio da Luz, casa do Benfica. O estádio José Alvalade, do Sporting, também é cotado para ser palco de alguns dos confrontos decisivos. De acordo com a Sky Sport, Lisboa vai receber a reta final da competição num intervalo de 12 dias no mês de agosto.

A emissora indica que: as quartas de final serão disputadas nos dias 12, 13, 14 e 15; as semifinais serão decididas nos dias 18 e 19; e a grande final será disputada no dia 23 de agosto. Todos os jogos com portões fechados.

A Champions League 2019-20 foi interrompida por conta da pandemia de coronavírus. Ainda restam quatro confrontos de volta das oitavas de final a serem disputados: Manchester City x Real Madrid (ida: 2 a 1 para os ingleses); Bayern x Chelsea (ida: 3 a 0 para os alemães); Juventus x Lyon (ida: 1 a 0 para os franceses); Barcelona x Napoli (ida: 1 a 1). Segundo a Sky Sport, as partidas serão realizadas nas respectivas cidades marcadas antes da paralisação, com portões fechados, nos dias 7 e 8 de agosto.

A emissora afirma que, dessa maneira, a Uefa adia as sedes escolhidas das finais para os ans seguintes. Istambul, que seria palco da decisão da atual temporada, receberá a final da temporada 2020-21, enquanto São Petersburgo receberá a decisão 2021-22.

FBF busca liberação de treinos presenciais para clubes do interior

Bahia Notícias

A Federação Bahiana de Futebol (FBF) vai buscar a liberação dos treinos presenciais para os clubes do interior, que disputam o Campeonato Baiano. Nesta segunda-feira (15), o prefeito ACM Neto (DEM) autorizou a volta aos trabalhos nos centros de treinamentos de Salvador. O presidente da entidade que controla o futebol baiano, Ricardo Lima, revelou que está em contato com as prefeituras para as equipes retomarem suas atividades.

“Nós estamos em contato com prefeituras no interior para a retomada dos treinos presenciais. Salvador já liberou e agora estamos pleiteando a liberação em outras praças esportivas”, afirmou em entrevista ao Bahia Notícias.

De acordo com o Ricardo Lima, o retorno aos treinos presenciais seguiria um rígido protocolo de segurança para garantir a saúde dos atletas e de todos os envolvidos dos departamentos de futebol dos clubes. Além disso, este seria o primeiro passo para uma possível retomada da disputa do Campeonato Baiano, paralisado desde meados de março quando começou a pandemia do coronavírus no Brasil.

“Sobre o Baianão, é um passo de cada vez. Agora são as retomadas dos treinos presenciais. Tudo tem que ser feito com cuidado. Já entramos em contatos com os prefeitos do interior”, disse.

O Baianão foi paralisado após o encerramento da sétima rodada, faltando apenas mais duas jornadas para o término da primeira fase.

Profissionalizar a arbitragem não é apenas possível, mas necessário e urgente

Globo Esportes

Já ouvi dois presidentes da Fifa falarem para os árbitros selecionados para Copa do Mundo: “Vocês são a nossa 33ª seleção!” Ou seja, além das 32 seleções classificadas para o Mundial, havia a seleção de árbitros.

Uma centena de árbitros selecionados nos cinco continentes que se juntavam à “família Fifa”, como os funcionários da Fifa gostam de se referir aos que lá trabalham.

Enquanto estávamos à disposição da Fifa, em competições ou treinamentos, tínhamos o melhor suporte que um árbitro profissional pode ter, do ponto de vista logístico ao técnico. Tudo era mais que perfeito! Para falar a verdade, sempre tive a certeza de que aquilo era passageiro, o que facilitou bastante minha decisão de parar de apitar.

Na CBF, enquanto fui árbitro, sempre nos disseram que era feito o possível pelos árbitros, e hoje tenho a certeza que não era verdade!

A excelente iniciativa de ajudar os árbitros da CBF com doações equivalentes a um jogo é uma demonstração de que não se fazia o possível, mas apenas o conveniente para não comprometer o status quo. Faltou visão às gestões anteriores que parece sobrar à atual. Exatamente a visão de que os árbitros são o 21º time do Brasileirão.

Foram doados em três meses praticamente 3 milhões de reais aos árbitros da CBF, que, como se sabe, não são contratados e só recebem quando apitam. Com a pandemia, a renda zerou!

Remunerar melhor os árbitros (que na final da Copa do Brasil e no Brasileirão ganham apenas 30% do que recebem na fase preliminar da Sul-americana e só 5% do que ganham na final da Libertadores), além de contratar esses árbitros, já não parece mais uma utopia. A legislação trabalhista hoje é mais flexível do que anos atrás, assim com a atual presidência da CBF. Falta flexibilizar as cabeças retrógradas de juristas e burocratas descrentes de que profissionalizar a arbitragem não é apenas possível, mas necessário e urgente.

Prefeitura de Salvador autoriza clubes de futebol a retornarem aos treinos presenciais

Bahia Notícias

A Prefeitura de Salvador autorizou o retorno dos treinos de futebol nos centros de treinamento da capital. A informação foi revelada nesta segunda-feira (15) pelo prefeito ACM Neto (DEM).

A liberação será de forma gradual e com cautela. Nas primeiras etapas só serão permitidos treinos individuais, respeitando o distanciamento e apenas com 50% do elenco. Os treinamentos coletivos estão proibidos. Os vestiários também não poderão ser utilizados, assim como as salas de fisioterapias. O tratamento dos jogadores será feito em ambientes abertos. Antes do retorno, os atletas deverão fazer testes de Covid-19 e serem vacinados da H1N1.

Em Salvador, dois clubes profissionais foram beneficiados com a medida: Vitória e Jacuipense. Já o Bahia, que tem seu CT situado em Camaçari, aguarda o aval da prefeitura local. Porém, a tendência é que o Tricolor tenha suas atividades liberadas.

As atividades presenciais nos CTs estavam suspensas desde março em virtude da pandemia do coronavírus. Ainda não há data para o retorno das competições. Um decreto expedido pelo governo do Estado proíbe partidas de futebol até 21 de junho.

SP tem semana decisiva e expectativa por volta de jogos em meados de julho

Uol

A semana é vista como decisiva para que os clubes do estado de São Paulo saibam quando poderão retornar às atividades. Depois de ter adiada a ideia de voltar com os treinamentos hoje, os times paulistas aguardam já nos próximos dias uma reunião com representantes do governo estadual para ter o aval necessário.

A expectativa é que esse encontro com as autoridades ocorra no decorrer da semana e que o governador João Doria (PSDB) dê a ‘benção’ para as prefeituras liberarem os treinamentos.

Os prefeitos aguardam um posicionamento do governo estadual pois não querem ter que arcar sozinhos com o ônus caso ocorra algum problema — como ter que paralisar novamente o futebol se uma quarentena mais rígida retorne no estado.

Caso o plano de voltar aos treinos nos próximos dias avance, a Federação Paulista de Futebol e os clubes pretendem retomar o Campeonato Paulista em meado de julho, ainda sem uma data definida.

Até o momento, dos 16 times da Série A1 do estadual somente o Red Bull Bragantino havia voltado aos treinos. A equipe obteve, por conta própria, liberação das autoridades municipais para retomar as atividades, gerou um mal-estar e foi ‘freada’ depois de reunião na última quarta-feira (10). Agora, o time de Bragança aguardará o retorno coletivo.

Vale destacar que o protocolo apresentado pelos clubes da capital ao prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), agradou. Ele prevê testagem em massa dos profissionais dos 16 clubes da elite, além de um retorno gradativo. Em um primeiro momento, treinos apenas físicos, com distanciamento entre os atletas e vestiários fechados.

A alternativa é parecida com as medidas adotadas por grandes centros do futebol europeu que já estão na ativa, casos de Espanha e Alemanha. Não deve haver discussão sobre datas para se voltar o campeonato até que se estabilizem os treinamentos.

‘A expressão ‘país do futebol’ é só um slogan publicitário’

Terra

Introduzido no Brasil por uma elite e restrito ao seu núcleo, o futebol ganhou popularidade durante o século XX acompanhando a diferenciação social surgida como consequência da modernização econômica. Nos grandes centros urbanos, trabalhadores, muito deles imigrantes europeus, construíram as suas redes de lealdade em torno da prática do esporte. Os campos e os times se espalhavam pelos bairros e se confundiam com a história dos lugares. O esporte bretão cumpriu inegável papel socializador e seu roteiro foi, muitas vezes, o da ferrovia e das fábricas pelo País.

O problema é que o momento passou. O cenário de oportunidade surgido para durante o século XX, no qual ensaiamos uma nova civilização e o futebol cumpriu importante papel socializador, se encerrou com o rearranjo na economia global e o império de sua dinâmica financeira. A sociedade de afluência do século XX já não existe e, diante da realidade imposta pela nova lógica do dinheiro, o futebol se tornou um negócio e o jogador uma espécie de commodity. As estruturas que permitiram a interiorização e a popularização conheceram o seu limite. Agora, ele é apenas um produto gerido por investidores no nível financeiro, moldado para agradar a um público que o consome como mais um produto de entretenimento.

O futebol se tornou muito caro e passou a ter “dono”, no sentido de que o dinheiro investido no negócio tem um dono privado. Assim, ele deixou de refletir a identidade formada nos lugares e de ser um elemento de socialização, criador de redes de lealdade.

Pouco a pouco, com a mudança no padrão de desenvolvimento, as lógicas de pertencimento sofreram alterações profundas. O fim dos empregos regulares e das carreiras construídas nas mesmas empresas, as migrações internas e as alterações no perfil dos municípios, devido a esses processos, contribuíram para quebrar a relação cidade-clube.

O fato principal, contudo, é que o próprio futebol, em sua organização, se tornou um produto de entretenimento numa sociedade de consumidores. Os altos investimentos para ofertá-lo na escala compatível com o retorno esperado inviabilizam a existência de equipes profissionais na maioria dos municípios, a não ser como produtores de jogador de futebol como commodity.

O Brasil como país do futebol é cada vez mais um slogan publicitário, uma estratégia de marketing, relacionada ao negócio. Se, por uma lado, há mais gente consumindo o esporte pelos diversos meios, há cada vez menos espaços livres para a prática e, ao que parece, menos praticantes organizados em associações -de bairro, local de trabalho- com existência regular. O fato é que, como tudo em uma sociedade regida obsessivamente pela lógica do lucro, o futebol não escapou ileso.

Roger Machado se posiciona contra retorno do futebol: ‘Não vejo espaço’

Bahia Noticias

Treinador do Bahia, Roger Machado se posicionou contra o retorno do futebol no Brasil. A opinião foi emitida durante entrevista ao programa Troca de Passes, do canal SporTV, no último sábado (13).

“Pessoalmente, não acho que há espaço neste momento para o retorno do futebol no Brasil. Nós paramos o Campeonato Baiano quando havia dez mortes e nós já passamos de 40 mil mortes. Entendo a pressão pelo retorno do esporte, mas é o momento para refletirmos sobre isso”, opinou.

No momento, a modalidade no estado está parada. Em Salvador, Bahia, Vitória e Jacuipense dialogam com a prefeitura para a retomada dos treinamentos – o Tricolor também dialoga com a prefeitura de Camaçari, na região metropolitana, cidade em que está localizada a Cidade Tricolor.

Se no último sábado Roger se posicionou contra o retorno do futebol, neste domingo (14) o clube divulgou que dois jogadores tricolores foram diagnosticados com a Covid-19. Além deles, outros cinco atletas já haviam contraído o vírus anteriormente, mas estão recuperados. Outros três funcionários também receberam diagnóstico positivo para o novo coronavírus.

Atlético de Alagoinhas pede doações da torcida em meio à pandemia

Atarde

Em publicação no Instagram, na tarde deste domingo, 14, o Atlético de Alagoinhas fez um apelo para a torcida em meio à pandemia de Covid-19.

Sem receitas, devido à paralisação dos jogos, o Carcará, que teve sua sede invadida e materiais roubados no dia 30 de março, solicitou o apoio dos torcedores neste momento de dificuldade financeira. Confira a publicação:

#AJUDEOCARCARÁ #FAÇA_SUA_DOAÇÃO #SEJA_SOCIO Clube encontra-se sem Receita, sem atividades, Sem receber repasse dos patrocinadores devido atual situação critica em que vivemos, mais precisamos manter forte e com planejamento em dias, Para Serie D do Brasileiro 2020 Elenco de Atletas; (Auxilio Emergencial) Comissão Técnica; (Auxilio Emergencial) Funcionários; (Auxilio Emergencial) Pagamento de Acordo com Justiça; SÓCIO TORCEDOR REALIZE SEUS PAGAMENTOS; NOSSOS PARCEIROS E PATROCINADORES PODEM FAZER DOAÇÕES; COMO PODEMOS AJUDAR O CARCARÁ Com Doação a seu time. Doe qualquer quantia. Doar R$ 10,00. Por favor, pague com este link do Mercado Pago: http://mpago.la/2PFMXX5 Doar R$ 20,00. Por favor, pague com este link do Mercado Pago: http://mpago.la/13ys4BW Doar R$ 30,00. Por favor, pague com este link do Mercado Pago: http://mpago.la/1AmsJco Doar R$ 50,00. Por favor, pague com este link do Mercado Pago: http://mpago.la/1FyRQCT Doar R$ 100,00. Por favor, pague com este link do Mercado Pago: http://mpago.la/1H1EMUn – Link na Bio ??????

Times da Série C acreditam em novo aporte financeiro da CBF

Futebol Interior

Os clubes da Série C do Campeonato Brasileiro acreditam que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) disponibilizará mais um apoio financeiro nas próximas semanas. A crise causada pelo novo coronavírus vem preocupando vários clubes do futebol nacional, que somam dívidas e mais dívidas.

“Entendo o momento de agora, mas meu sentimento é de que a CBF vai estender a mão e ajudar os clubes de Série C. Eu não posso estipular uma data, mas isso vem muito do meu entendimento do presidente Rogério (Caboclo) e do secretário Walter Feldman, porque eles têm visão de futebol e sabem da importância do sistema do futebol não poder parar e da importância da Série C”, disse Constantino Júnior, em entrevista parao Podcast 45minutos.

O mandatário do Santa Cruz é um dos representantes dos times da Série C em debater com a CBF. Ele esteve em várias reuniões que resultaram na mudança da fórmula do torneio. Ele acredita que a competição começará em agosto.
“Visualizo uma situação parecida com as Séries A e B. De uma situação de no mês de agosto se voltar, claro, se tudo der certo e se a gente não tiver uma segunda onda da pandemia. A gente precisa trabalhar em cima de alguma data. Nós estamos muito preocupados e buscando um entendimento para se ter um mínimo de isonomia possível e também obedecer e respeitar as regras de cada estado”, encerrou.

Vale lembrar que os times da Série C receberam um aporte financeiro dos clubes da Série C no valor de R$ 200 mil.

No Brasil, só 7% das cidades têm um time profissional de futebol

Isto É

A pandemia obrigou os brasileiros a viver sem o futebol. Mas essa já é a realidade de 100 milhões de pessoas, quase metade da população do País, que vivem em cidades sem um time profissional. Pesquisa da consultoria Pluri mostra os 650 times que disputam competições oficiais no Brasil no ano passado estão em apenas 422 dos 5.570 municípios. É apenas 7%. Para dirigentes e especialistas, os dados revelam a concentração do esporte aos grandes centros urbanos e colocam em xeque a expressão “País do futebol”.

O estado de São Paulo mostra as duas faces da moeda. É a unidade com mais clubes, 89 ao todo, mas concentra 40% das cidades acima de 100 mil habitantes que não têm um time profissional. “Proporcionalmente, São Paulo está sub representado. É um Estado que representa cerca de 35% do PIB do Brasil, mas com apenas 14% dos clubes. Existe força econômica e população suficiente para aumentar esse número”, analisa Fernando Ferreira, fundador da Pluri.

Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da Federação Paulista, rebate. “Em São Paulo, temos um número extremamente relevante de clubes profissionais. São quatro divisões profissionais e todos os clubes recebem cotas de participação para disputar essas competições, o que é único no país”, afirma o dirigente.

Mais de 20 mil torcedores comemoram a volta do rúgbi em estádio na Nova Zelândia

Super Esportes

Sem nenhum registro de casos de transmissão de coronavírus há mais de três semanas e sem nenhum caso ativo há uma semana, a Nova Zelândia festejou o retorno do rúgbi profissional, um dos esportes mais populares do país, com o estádio em Dunedin com 20 mil torcedores para ver a vitória dos Otago Highlanders, por 28 a 27, sobre os Waikato Chiefs.

O público no estádio, sem restrições de comportamento, relembrou o período antes da pandemia do coronavírus, quando os jogos foram paralisados em março. Os torcedores comemoraram o tempo todo até o último lance, que definiu a partida.

Este duelo abriu o Super Rugby Aotearoa. A competição é uma versão reduzida do Super Rugby, na qual equipes da Nova Zelândia, África do Sul, Austrália, Argentina e Japão se enfrentavam antes da suspensão por causa da pandemia.

A Nova Zelândia tem cinco milhões de habitantes e foi considerada um exemplo da luta contra o coronavírus, com apenas 22 mortes. Na segunda-feira, o país suspendeu as últimas restrições.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia