WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
vitoria da sorte


vitoria da sorte

julho 2020
D S T Q Q S S
« jun   ago »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  



drupal counter

:: 6/jul/2020 . 19:00

Brasileirão, Estaduais, datas-Fifa: como CBF planeja encaixar calendário

Veja

Os números da pandemia de Covid-19 no Brasil seguem altos e apenas um Estadual, o Carioca, já retomou suas atividades. No entanto, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) já tem um calendário pré-definido e acordado com os clubes para iniciar os torneios nacionais no início de agosto – o que deve conflitar, por exemplo, com os planos da Federação Paulista de Futebol de encerrar o Paulistão no mesmo período – e terminar o Brasileirão 2020 apenas em fevereiro de 2021. A promessa de paralisar o torneio durante as chamadas “datas-Fifa” tiveram de ser desfeitas, lamentou o presidente da CBF, Rogério Caboclo.

Em entrevista ao diário O Globo no último domingo 5, Caboclo cravou que a Série A do Campeonato Brasileiro manterá o formato original (por pontos corridos, em 38 rodadas) e terá início em 9 de agosto, enquanto as Séries B e C devem começar na véspera, dia 8. A Copa do Brasil também será mantida, com retorno em 26 de agosto, mesma data do início da Série A1 do Feminino. As férias de fim de ano serão abolidas.

Seguindo o que já ocorre nas grandes ligas europeias, os jogos serão todos com portões fechados. Caboclo ainda cogitou a possibilidade de que clubes tenham de jogar fora de suas praças caso a pandemia não esteja controlada em suas cidades. Das 19 equipes da Série A, apenas o Athletico Paranaense votou contra a possibilidade de ter de ceder seu mando de jogo.

“A CBF assumiu a responsabilidade de reabrir hotéis, colocar aviões no céu e fazer o futebol voltar”, afirmou Caboclo. Segundo ele, a entidade buscou soluções já visando o calendário de 2022, que terá de ser encurtado devido à realização da Copa do Mundo do Catar, a primeira a ser realizada no final do ano, para fugir do calor infernal no verão da região.

Após falso negativo, jogador atua infectado e Liga na Bulgária acumula 20 casos de Covid-19

Ogol

Um erro de laboratório bastou para uma nova onda de casos de Covid-19 no futebol da Bulgária. O defensor Martin Kavdanski, cujo teste não indicou a contaminação pelo coronavírus, atuou no jogo de seu clube, o Tsarsko Selo, contra o Cherno More Varna, no dia 2 de julho.

No entanto, o teste do zagueiro tratava-se de um falso negativo, e o jogador foi a campo infectado pelo vírus. Como resultado desta falha de procedimento, três companheiros de equipe e 16 membros do time adversário anunciaram o resultado positivo para a Covid-19 dias depois.

O laboratório responsável pela testagem reconheceu o erro e se desculpou, mas o jogo já havia sido disputado. O presidente do Tsarsko Selo, clube de Kavdanski, também contraiu o vírus.

A vitória por 4 a 1 dentro de campo trouxe consequências amargas para o Cherno More fora das quatro linhas. Em comunicado, o clube anunciou os casos entre os jogadores e funcionários e as medidas tomadas após esse incidente.

“Infelizmente, os resultados encontraram 16 amostras positivas. Todos os jogadores com esse diagnóstico estão em quarentena, e tomamos as precauções necessárias. Notificamos a comissão médica e o departamento técnico da Federação Búlgara de Futebol. Estamos aguardando as instruções”.

Em território búlgaro, os jogos contam com a presença de torcedores nos estádios, com 30% da capacidade. O próximo compromisso do Cherno More está programado para esta terça contra o Arda. Ainda não há notícia sobre um possível adiamento do jogo. Por outro lado, o Tsarko Selo entra em campo na próxima quinta para enfrentar o Botev.

MP vai investigar relação entre Flamengo e o parceiro BRB

IG Esportes

A parceria entre o Banco Regional de Brasília ( BRB ) e o Flamengo tem gerado polêmica.

O valor de R$ 32 milhões por ano de contrato entrou na mira do Ministério Público de Contas do Distrito Federal (MPC-DF), que entrou com representação pedindo ao Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) que exige mais informações sobre esse contrato. As infirmações são do blog do Andrei Kampff.

“De fato, não se devem desconsiderar, nessa discussão, os valores (R$ 32 milhões/ano) envolvidos na efetivação de patrocínio em curso. Para se ter ideia, o valor anunciado é 400% maior que todo o orçamento do BRB com patrocínio em 2019, conforme o demonstrativo de gastos com publicidade, propaganda e patrocínios de 2019, publicado no DODF, o BRB dispunha de R$ 8 milhões para patrocínios”, ressalva a decisão da procuradora Cláudia Fernanda de Oliveira Pereira.

Desta forma, o valor que o Flamengo vai receber é 267% maior que o previsto para o ano. Sendo assim, o órgão vai investigar se houve qualquer tipo de violação no contrato.

“Será que esse patrocínio atende aos princípios da moralidade ou da eficiência? Qual o interesse de uma sociedade de economia mista do Distrito Federal, com pouquíssimas agências fora do território do DF, em patrocinar um clube de futebol de outra unidade federativa?”, questiona Daniel Falcão, advogado constitucionalista.

A parceria entre o clube e o banco foi selada no dia 19 de junho. No entanto, só no dia 1 de julho a marca estampou sua imagem na camisa rubro-negra. Segundo Paulo Henrique Costa, presidente da BRB, o valor de mercado de R$ 2,5 bilhões da empresa, subiu para R$ 4 bilhões após anuncio de vínculo com o Flamengo.

Fase de oitavas de final da Liga dos Campeões não será em campo neutro

Lance

Apesar de preferir que as oitavas de final da Liga dos Campeões fossem disputadas em sede neutra, a Uefa cedeu a pressão dos clubes que irão jogar as partidas de volta em seus domínios, de acordo com o jornal “As”. Com isso, Porto e Guimarães são descartadas e Barcelona, Manchester City, Bayern de Munique e Juventus recebem seus adversários em seus respectivos países.

O Barcelona e o Manchester City foram os times que mais pressionaram para realizar seus encontros em casa e para que o Real Madrid não jogasse em campo neutro. Pep Guardiola está vendo a força dos merengues nesta reta final de temporada e, apesar de ter conseguido vitória no Bernabéu, não quer dar nenhum tipo de vantagem aos espanhóis.

As quatro partidas de volta que restam para finalizar a fase de oitavas de final serão realizadas entre os dias sete e oito de agosto. As quartas de final vão ser jogadas entre os dias 12 e 15 e o sorteio para definir os confrontos irá acontecer nesta sexta-feira. As semifinais serão nos dias 18 e 19 e a decisão será no Estádio da Luz no dia 23 de agosto.

Proibição de jogos de futebol na Bahia é mantida até dia 12 de julho pelo governo

Babia Notícias

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), prorrogou a suspensão de jogos de futebol no estado devido a pandemia do coronavírus. O novo decreto tem validade até o dia 12 de julho, próximo domingo. Com isso, o Campeonato Baiano permanece suspenso. A decisão também afeta a escolha por Salvador em abrigar a reta final da Copa do Nordeste, que deve acontecer numa sede única.

“As atividades que envolvem aglomeração de pessoas, como eventos desportivos, inclusive jogos de campeonatos de futebol, profissionais e amadores religiosos, shows, feiras, apresentações circenses, eventos científicos, passeatas, aulas em academias de dança e ginástica, além, da abertura e funcionamento de zoológicos, museus, teatros, dentre outros”, diz o decreto.

De acordo com o boletim da Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab) divulgado na noite deste domingo, o estado registrou 1.563 novos casos da Covid-19 nas últimas 24 horas. No total, foram contabilizados 87.048 casos confirmados da doença com 2.107 mortes.

A Federação Bahiana de Futebol (FBF) estuda o reinício do Baianão para a segunda quinzena de julho. A competição foi paralisada desde meados de março, faltando duas rodadas para o encerramento da primeira fase.

Doria diz que não houve ‘consulta prévia’ da CBF sobre jogos do Brasileirão

Isto É

Estado com mais times na Séria A do Campeonato Brasileiro, São Paulo não foi consultado sobre o início da competição no dia 9 de agosto, afirmou o governador João Doria, nesta segunda-feira. Para Doria, poderá haver conflito de datas entre o Paulistão, ainda a ser finalizado, e o Brasileirão.

“Quanto à decisão da CBF de voltar no dia 9 de agosto, não houve consulta prévia. Mas aqui nós temos um entendimento com a Federação Paulista. Para realizar este entendimento, nós dependemos do comitê de saúde, que tem um relator específico para o futebol”, declarou o governador.

Ele prometeu que o comitê de saúde anunciará sua decisão sobre o retorno do Estadual até o final da próxima semana. “Até o final da semana que vem, no mais tardar, uma conclusão sobre a conclusão do Campeonato Paulista. Sem concluir (o Estadual), os clubes não poderão participar do Campeonato Brasileiro”, disse Doria.

No domingo, em entrevista ao jornal O Globo, o presidente da CBF, Rogério Caboclo, afirmou ter chegado a acordo com 19 dos 20 clubes do Brasileirão para iniciar o campeonato em 9 de agosto.

“Haveria necessidade de uma aprovação de todas as autoridades sanitárias de nove estados e 11 cidades. E não temos isso hoje. Fiz a proposta no sentido de que admitissem uma reflexão sobre jogar fora do mando de campo para manter essa data íntegra, irretocável, caso todas as cidades não estejam liberadas. Houve votação de 19 a 1 a favor”, dissera o dirigente.

Paralisado na primeira quinzena de março, o Paulistão ainda tem duas rodadas a serem disputadas pela primeira fase, antes do início do mata-mata, com quartas de final, semifinais e final. Ainda não há data definida para o retorno do Estadual. Os times voltaram a treinar no dia 1º.

Com VAR, arbitragem do Fla-Flu, na decisão da Taça Rio, está definida

Terra

A equipe de arbitragem do clássico entre Fluminense Flamengo, nesta quarta-feira, às 21h30, pela decisão da Taça Rio, está definida e foi anunciada pela Ferj.

O árbitro do Fla-Flu será Bruno Arleu de Araújo, que terá Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa e Thiago Henrique Neto Corrêa Farinha como assistentes.

Conforme regulamento, a decisão do segundo turno contará com arbitragem de vídeo. A equipe do VAR será composta por Rodrigo Nunes Sá, Rodrigo Carvalhaes de Miranda, Silbert Faria Sisquim e Claudio José de Oliveira Soares.

Campeão da Taça Guanabara e dono da melhor classificação geral, o Flamengo está a uma partida de conquistar a Taça Rio e, consequentemente, o Carioca. O Fluminense, por sua vez, precisa vencer o segundo turno para forçar o confronto na decisão do Estadual, em mais dois jogos contra o rival da Gávea.

Globo recorre para não transmitir Fla-Flu. Sem liminar, TV passará final

Uol

A Globo recorreu à Justiça para tentar derrubar a obrigação de transmitir o Fla-Flu, do final da Taça Rio. Mas, se perder a decisão judicial, a emissora vai aceitar passar o jogo mesmo tendo rescindido o acordo do Campeonato Carioca. Então, o cenário é de que a Justiça vai definir se haverá televisão ou não neste jogo.

O imbróglio começou quando o Flamengo transmitiu seu jogo como mandante diante do Boavista, baseado na MP 984 que deu os direitos de transmissão ao time mandante. A partir daí, a Globo optou por rescindir o contrato do Carioca.

A Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro), então, entrou na Justiça para obrigar a Globo a seguir transmitindo os jogos. A entidade conseguiu uma liminar pela qual a emissora seria multada em R$ 5 milhões caso não passasse os jogos – a semifinal da Taça Rio, Botafogo e Fluminense, foi transmitida.

Nesta segunda-feira, a Globo recorreu à segunda instância da Justiça para derrubar a exigência de transmissão. Se a emissora for bem sucedida no seu agravo, não haverá transmissão na TV Aberta. Aí, caberá ao Fluminense decidir se passar em sua TV por ser o mandante do jogo.

Caso a Globo perca ação na Justiça, já existe uma decisão interna de que a emissora respeitará a decisão e transmitirá o jogo da final da Taça Rio. A Ferj também entende que a liminar, se mantida, lhe garante a transmissão mesmo o Flamengo não tendo contrato com a Globo.

Globo lidera em audiência no Rio com semifinal entre Flu e Botafogo

MSN

A semifinal da Taça Rio entre Fluminense e Botafogo que deu ao tricolor uma vaga na final do turno após empate em 0 a 0, no último domingo, registrou média de 14 pontos de audiência, em média, em transmissão ao vivo na TV Globo para o Rio de Janeiro, com 29% de participação.

A transmissão atingiu pico de 17 pontos em alguns momentos, o que equivale cerca de 4,5 milhões de residências sintonizadas, mantendo a liderança no horário na TV aberta. A informação foi divulgada pelo ‘Uol’ e confirmada pelo LANCE!.

A Globo manteve a posição anterior às semifinais da Taça Rio de que não transmitirá a final do turno do Campeonato Carioca, a não ser que seja obrigada por decisão judicial, como ocorreu na semifinal entre Botafogo e Fluminense, onde os tricolores avançaram após empate em 0 a 0.

Em contato com o LANCE!, a assessoria da emissora divulgou a seguinte nota sobre a final de turno entre Fluminense e Flamengo. Como o mando é do Tricolor, a emissora pode transmitir a partida se baseando na MP 984, a mesma usada pelo Flamengo para passar jogos na FlaTV.

– A Globo reitera que o contrato de transmissão do Campeonato Carioca foi rescindido pela quebra da exclusividade. A empresa já se manifestou no processo e aguarda a decisão judicial sobre o assunto -disse a nota.

Fluminense se baseia em contrato para indicar Maracanã para a final da Taça Rio contra o Flamengo

Globo Esportes

Ganhador do sorteio da Ferj para definir o mando de campo da final da Taça Rio, o Fluminense surpreendeu a todos ao indicar o Maracanã, uma vez que o clube vinha evitando jogar no local por causa do hospital de campanha da pandemia do novo coronavírus construído no complexo.

O Fluminense virou alvo de críticas de torcedores nas redes sociais após a decisão, mas, em nota oficial, a diretoria explicou a mudança de posição, vista como necessária para cumprir o contrato de administração do estádio, que exige um número mínimo de 30 jogos no palco por ano.

Na entrevista citada na nota oficial, o presidente Mário Bittencourt deu a seguinte declaração no dia 18 de junho ao programa “Troca de Passes” do SporTV

– Se a gente tiver êxito nesse segundo pedido liminar, nós vamos novamente fazer um pleito à federação que mande os nossos jogos ou no Nilton Santos ou até mesmo em São Januário. Eu considero um desrespeito que a gente jogue ao lado do hospital de campanha neste momento. Aí você vai me perguntar: mas e mais à frente? Aí eu tenho contratos a cumprir.

– Eu sou obrigado contratualmente a jogar pelo menos 30 partidas no Maracanã. Quando retornar o Campeonato Brasileiro, no final de julho ou início de agosto, em razão do cumprimento do contrato a gente, poxa, talvez tenha que jogar. Mas nesse momento, no pico da pandemia, eu acho ruim jogar no Maracanã, desrespeitoso, poderia esperar mais para voltar ao Maracanã.

No contrato em que Flamengo e Fluminense são parceiros na administração do Maracanã, o mínimo é de 30 partidas como mandante no local para cada clube anualmente – não é obrigatório que os clássicos Fla-Flus sejam realizados no estádio. Entre as penalidades em caso de não cumprimento estão advertência, multas e até mesmo rescisão.

Até o momento, o Fluminense já mandou em 2020 oito jogos no Maracanã (seis pelo Carioca, um pela Copa do Brasil e um pela Copa Sul-Americana). Mas o clássico de portões fechados contra o Vasco na Taça Rio, como o clube tricolor bancou a maior parte dos custos para manter a partida no estádio – Vasco queria levar para São Januário –, ele também entra na conta.

Como o Fluminense tem pelo menos mais 21 jogos para disputar na temporada com o mando de campo, sendo a final da Taça Rio, os 19 pelo Campeonato Brasileiro e um pela Copa do Brasil, o clube conseguirá cumprir a meta do contrato. Porém, como o Brasileirão irá terminar só no ano que vem em função da pandemia, o compromisso com o Governo do Rio precisará ser renovado.

Com Baiano e Série D pela frente, elenco do Atlético de Alagoinhas se reapresenta

G1 Bahia

O elenco do Atlético de Alagoinhas se reapresenta neste domingo (5) para retomar a rotina de treinos paralisadas ainda em março, no início da pandemia de coronavírus no Brasil. Os jogadores ficarão concentrados em um hotel localizado no município de Santo Estevão, cidade que fica a cerca de 150 quilômetros de Salvador.

A programação do clube prevê duas semanas de isolamento no hotel. A diretoria do clube estabeleceu como critério a realização de testes em todos os atletas e integrantes da comissão técnica que frequentarão o local, além da desinfecção dos espaços e equipamentos utilizados. Os treinos físicos e com bola serão iniciados nesta segunda-feira (6).

– Serão 15 dias de trabalho visando o reinício do Campeonato Baiano. Após quatro meses de distanciamento, acreditamos que esse período seja viável para a retomada do condicionamento físico e demais trabalhos delegados pela comissão técnica – afirmou Luiz Mato Júnior, diretor de futebol do clube.

De acordo com a assessoria de comunicação do Carcará, os atacantes Magno Alves e Marcelo Nicácio estão entre os jogadores que se reapresentam neste domingo. Os dois terão contato pela primeira vez com o técnico Agnaldo Liz, que deixou o time sub-23 do Vitória e foi contratado para comandar o Atlético de Alagoinhas na sequência da temporada.

O Atlético de Alagoinhas tem pela frente na temporada a sequência do Campeonato Baiano e a disputa da Série D do Campeonato Brasileiro. No estadual, o Carcará ainda tem dois jogos pela primeira ase, um contra o Bahia e outro diante do Jacuipense. As datas de retorno do Baianão e da Quarta Divisão ainda não foram anunciadas.

Com estaduais ameaçados pela TV, proposta pode evitar o fim trágico

R7

No mundo globalizado, o poder financeiro tem cada vez mais ditado as regras no futebol. Mas a lógica do futebol brasileiro sempre seguiu características próprias, baseadas muito mais nos interesses particulares dos clubes, em detrimento do bem geral. Além das questões regionais, que vêm mantendo os campeonatos estaduais.

Com a desistência da TV Globo de transmitir o estadual do Rio de Janeiro, veio o questionamento a respeito da continuidade dos estaduais, a partir de um modelo no qual a receita com a TV poderá não ser mais a principal fonte de recursos, por causa da ascensão do streaming.

Tudo ocorreu, ironicamente, em um momento no qual alguns clubes, capitaneados pelo Flamengo, insistiram em precipitar a volta dos estaduais, em meio à pandemia, colocando uma aura de importância enorme a esses campeonatos.

E agora, neste surpreendente Brasil, na semana seguinte, fala-se na extinção dos estaduais, com o argumento de que, com um possível fim das verbas oriundas da TV, os clubes de menor porte não encontrarão outras fontes de recursos, tanto em empresas quanto em seguidores e visualizações na web.

Seria um exercício de futurologia cravar que os estaduais irão acabar a partir desta questão da TV. As federações regionais ainda têm uma força no cenário e dificultarão ao máximo o fim destes campeonatos.

Mas, sem dúvida, esse debate em torno da forma de transmissão dos jogos e das fontes de receitas dos clubes abriu espaço para muitas possibilidades.

O Brasil está cerca de 30 anos atrasado em relação ao que ocorre nos chamados países desenvolvidos. Na Europa, por exemplo, a negociação com a TV segue um modelo estabelecido nos anos 90, em que as ligas dividem entre os participantes as quantias negociadas, com algumas diferenças, entre um e outro país, de pagamento aos clubes com mais torcida, audiência e melhores resultados. Mas não há muita discrepância entre os clubes de maior e menor popularidade.

A questão é que lá, em sociedades, que bem ou mal, têm um projeto para o país, existem as ligas de clubes.

Aqui, o caminho é inverso. A necessidade de reorganização, principalmente por causa da pandemia, se faz presente, mas os interesses individuais dos clubes impedem, por exemplo, a formação de uma liga. Ou da criação dos clubes-empresa.

A tendência, no entanto, é a de que, com isso, prevaleçam os interesses dos clubes mais populares. Com maior potencial de venda. O Flamengo, com a diretoria atual, jamais aceitaria, por exemplo, dividir qualquer parte do bolo com alguém, dentro de uma liga nacional.

O ideal seria mesmo a formação de uma liga nacional, transparente, que valorizassse os grandes e os menores em busca de um objetivo comum.

E, como o Brasil tem suas características próprias, estas ligas poderiam ter ramificações em cada estado, organizando os campeonatos locais, buscando parceiros e receitas. Para fortalecer os clubes e revitalizar o futebol brasileiro diante do poderio europeu.

comercial tommacon



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia