Super Esportes

Não há tristeza maior para um time grande que o rebaixamento. Pela terceira vez na história, o torcedor do Botafogo sente essa dor no Brasileirão. Com quatro rodadas de antecedência, os cariocas viram a esperança de salvação chegar ao fim com o 18.° revés na competição. O Sport fez 1 a 0 no Engenhão, nesta sexta-feira, e deixou a zona da degola.

Nas outras duas vezes em que foi rebaixado, em 2002 e 2014, o Botafogo retornou à elite no ano seguinte. Já utilizando seus meninos e planejando a temporada 2021, o clube espera repetir a dose e comemorar, no fim do ano, nova volta à Série A.

Para isso, terá de fazer um planejamento melhor que o desta temporada, na qual investiu em reforços equivocados e não se cansou de trocar treinadores. Começou o Brasileirão com Paulo Autuori e deve terminar com Eduardo Barroca. Mas, ao longo desses 34 jogos disputados até então, ainda foi dirigido por Bruno Lazaroni, Flávio Tenius, Emiliano Díaz (o pai, Ramon Díaz, doente, nem chegou a assumir) e Felipe Lucena.

Diante do Sport, na escalação, apenas Zé Wellison e Caio Alexandre tinham mais de 25 anos. No mais, apenas jovens, casos de Diego Loureiro, Kevin, Sousa, Cesinha, Navarro, Romildo e Matheus Nascimento, todos formados no clube.

Diego Cavalieri, outro experiente do grupo, com dores no tornozelo, foi baixa de última hora. O problema deve tirá-lo do restante do Brasileirão. Sobrou para Diego Loureiro evitar que o Botafogo sofresse gols dos pernambucanos. A derrota decretaria a queda.