WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
vitoria da sorte




vitoria da sorte

janeiro 2022
D S T Q Q S S
« dez    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  



drupal counter

:: ‘CONDUZIR’

Árbitro Marielson Alves é escolhido para conduzir a Tocha Olímpica

Tudo Conquista

20160518_110051

O árbitro conquistense Marielson Alves Silva, foi escolhido para conduzir a Tocha Olímpica, na próxima sexta (20).

O árbitro que pertence ao quadro da FBF e CBF e recentemente foi promovido a árbitro aspirante a Fifa, foi indicado pelo Ministério dos Esportes para carregar o símbolo olímpico. “É uma satisfação ter essa honra. Só tenho a agradecer pela oportunidade”, disse.

Vitória da Conquista será a 18ª cidade brasileira a receber a tocha olímpica. O objeto ficará exposto à visitação pública e será conduzido por um percurso de aproximadamente 15 quilômetros. O roteiro nacional inclui cerca de 300 municípios brasileiros antes de chegar ao Rio de Janeiro, onde ocorrerão os jogos olímpicos. A tocha será utilizada para acender a pira olímpica durante a cerimônia de abertura dos jogos, no estádio do Maracanã.

Cego desde a juventude, Arcanjo é o quinto condutor da Tocha escolhido pelo Governo

Ascom PMVC

arcanjo-vai-carregar-680x680

O próximo dia 20 de maio, sexta-feira, será de sentimentos contrastantes para o professor José Arcanjo Dias Rocha, 50. De entusiasmo, por ser um dos 71 escolhidos para conduzir a Tocha Olímpica em Vitória da Conquista, e de pesar pelo falecimento de sua mãe, Noeme Oliveira Rocha, aos 90 anos, no último dia 20 de abril.

“Vai ser um momento único. É um privilégio concedido por Deus e pelo nosso Município. Participarei com muita alegria, embora esteja triste e com saudade da minha mãe que partiu. Mas, vou conduzir a tocha, homenageando a ela e meu pai. A família é essencial, principalmente, para a pessoa com deficiência”, disse Arcanjo, que nasceu com baixa visão e ficou cego ainda na juventude.

E esse espírito olímpico, de superação, sempre conduziu Arcanjo. Professor há 23 anos na Associação Conquistense de Integração do Deficiente (Acide), Arcanjo dá aulas de Braille e de Informática. Além disso, por três mandatos, ele atuou como presidente da instituição.

Para o professor, que aprendeu Braille aos 12 anos, a informática facilitou o acesso a comunicação. “Foi uma janela que se abriu para as pessoas cegas. Temos, com facilidade, acesso a textos e livros diversos. Por isso, meu desejo é estender o ‘mundo da Internet’ para mais pessoas com deficiência, por meio de programas apropriados”, projeta o visionário que há 20 anos comprou o primeiro software de voz e instalou nos computadores da Acide.

Essa defesa das políticas públicas para a pessoa com deficiência, Arcanjo acredita ter sido o motivo dele ter sido escolhido para conduzir o símbolo olímpico: “fiquei muito honrado com a indicação feita pelo Governo Municipal. É um reconhecimento a uma vida dedicada à causa da pessoa com deficiência”.

Durante sua vida, a sua guia sempre foi dona Noeme. O pai, José Vieira Rocha, morreu em 1988, quatro anos depois de chegar a Vitória da Conquista, buscando um lugar mais desenvolvido para Arcanjo e seu irmão mais novo, Luciano Rocha, 46. O caçula constituiu família, e Arcanjo ficou na companhia de sua mãe.

“Ela foi de uma importância inigualável. Tenho o curso de Pedagogia, profissão que exerço, e uma pós em Educação Inclusiva – todas foram iniciadas com o incentivo da minha mãe, que só tinha o segundo ano primário. Lá, na zona rural de Caatiba, há quase 50 anos, ela pegava o caderno e avivava as linhas finas para que eu pudesse ver e traçar as primeiras letras”, relembra.

Ainda, segundo Arcanjo, quando estava na rede regular de ensino, ela copiava para o caderno dele os apontamentos dos cadernos dos colegas. “Ela também lia para que eu pudesse fazer minhas provas. Minha mãe sempre me acompanhou”, relembra o professor. Por isso, que ao conduzir a Tocha Olímpica, Arcanjo estará homenageando todo o esforço de sua mãe.

Nilson do Rosa Cruz foi escolhido pelo Bradesco para conduzir a Tocha Olimpica

Da Redação

13138815_775010245934475_2885286717712631987_n

Cidadão servidor público de baixo poder social, custeia um time de futebol amador, proporcionando o lazer aos munícipes locais e tirando crianças carentes em situação de rua, pagando de seu próprio salario, sem ajuda do poder público.

Time esse fundado há 15 anos mesmo sem ser campeão uma única vez, ainda de pé, segue em frente tudo por amor ao esporte local! Por isso acho que esse rapaz merece essa indicação.

comercial tommacon



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia