WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  



drupal counter

:: ‘MALA’

Catuense é absolvida de denúncia de suposta “mala preta”

Site Oficial do Clube

RTEmagicC_TimedaCatuca

Suspeita de ter se envolvido no ocorrido com a famosa “mala preta”, a Catuense foi absolvida em julgamento realizado na comissão disciplinar do TJD-BA, na noite desta terça-feira (17). Por unanimidade, os auditores do órgão votaram pela absolvição da equipe de Catu. O Ipitanga vai ser julgado em outra ocasião.

Apesar das tentativas frustradas por parte do Camaçari e da Procuradoria de tentar induzir o tribunal para da punição do Bem-Te-Vi os auditores decidiram pela absolvição, os autos do processo eram superficiais e não garantiam de forma concreta o suposto pagamento, se basearam e conjecturas e acabaram saindo derrotados.

Com resultado a Catuense segue o planejamento para estréia no campeonato baiano 2014, em breve traremos todas as novidades sobre reforços. melhores franquias baratas

Catuense evita falar sobre “mala preta” na 2ª divisão do Baiano

Galáticos Online

catuense

Em contato com o Site Galáticos Online, a presidente da Catuense, Maria Aparecida Pena, informou que foi orientada pela advogada do clube para não se pronunciar, pelo menos por enquanto, sobre a denúncia feita pelo presidente do Camaçari, Fernando Lopes, sobre o episódio conhecido como a “mala preta” da 2ª divisão do Campeonato Baiano 2013. A dirigente chegou a marcar uma entrevista do presidente de honra da Catuense, Antonio Pena, mas desistiu minutos depois de ter conversado com o departamento jurídico. “Vamos aguardar o desfecho do caso no TJD-BA para depois adotarmos as providências cabíveis”, disse Cida Pena.

A investigação que está sendo feita pelo Tribunal de Justiça Desportiva da Bahia tem a frente o auditor Luis Valnei, que deve concluir o inquérito nos próximos dias. Em jogo do Campeonato Baiano da 2ª divisão, o Camaçari acusa o Ipitanga de ter simulado um “cai cai”, para encerrar a partida aos 15 minutos do segundo tempo por falta de atletas em campo, quando a equipe perdia por 4 a 0. O resultado final classificou a Catuense, beneficiada pelo critério de saldo de gols com o encerramento prematuro do confronto.

Na partida, o Ipitanga levou apenas 10 atletas titulares e nenhum reserva, sendo que quatro deles alegaram contusões e saíram de campo, ficando com número inferior ao permitido por lei desportiva para continuar no jogo.

Denúncia de “mala preta” pode manchar imagem do futebol baiano

Galáticos Online

IMAGEM_NOTICIA_0

O futebol baiano pode entrar na mídia nacional da forma mais negativa possível: Denúncia de “mala preta” no Campeonato Baiano da 2ª divisão deste ano. A denúncia parte do presidente do Camaçari, Fernando Lopes, prejudicado com o resultado da partida em que seu time venceu o Ipítanga pelo Placar de 4 a 0. Com esse resultado, a Catuense se classificou para a fase semifinal, disputou com o Itabuna e subiu para a 1ª divisão. Um placar acima de 7 gols de diferença daria a vaga ao Camaçari, eliminando a equipe de Catu.

Diante dos fatos, o Tribunal de Justiça Desportiva da Federação Bahiana de Futebol abriu inquérito para investigar o caso. O Dr. Luis Valnei, auditor do TJD-BA, está a frente do inquérito e se pronunciou sobre o assunto nesta segunda-feira (28), ao ser entrevistado na Rádio Itapoan FM – 97,5: “Estamos em fase de investigação, de inquérito. Qualquer posição neste momento seria prematuro, precipitado. Estamos investigando para atestar que a denúncia feita pelo Camaçari tenha procedência, ou não. Se existem fatos que remetem a dúvidas, elas devem ser esclarecidas. Vamos analisar com imparcialidade. Havendo indícios de irregularidade, a procuradoria fará a denúncia. Não havendo, o caso será arquivado. O Tribunal não vai se omitir”, decretou o relator.

A partida entre Camaçari 4 X 0 Ipitanga, aconteceu em 29/06/2013, em Alagoinhas e já começou com um atraso de 15 minutos, em virtude do Ipitanga (que nada mais aspirava no campeonato), ter entrado atrasado em campo, exatamente às 16:12h.

Abaixo do placar do jogo na súmula, há uma observação do árbitro Arilson Bispo da Anunciação: “Ver item 10 do relatório”.

Item 10:

“A partida foi encerrada aos 15 minutos do 2º tempo, em virtude da equipe do Ipitanga não possuir o número mínimo de atletas suficientes para continuar a partida, pois só restavam 6 atletas em campo.

O Ipitanga se apresentou para a partida com apenas 10 jogadores titulares e nenhum reserva:

– Aos 8 do 1º tempo: o atleta Cassius Clay saiu de campo alegando dores no joelho

– No intervalo, o atleta Renato Braz Neto ficou no vestiário, não retornando para o 2º tempo.

– Com 1 minuto do 2º tempo, o atleta José Cícero, deixou a partida alegando torção no tornozelo.

– Aos 4 minutos do 2º tempo, o atleta Kayron Bruno da Silva, após dar um chute na bola, ficou caído em campo alegando dores musculares. O médico Dr. Belarmino de Melo, CRM 10101, diagnosticou contratura muscular.”

O árbitro Arilson Bispo da Anunciação esperou 10 minutos para que o atleta se recuperasse, o que não aconteceu. A partida foi encerrada.

Vale o registro: O atleta Renato Braz Neto é filho do presidente do Ipitanga, Renato Braz e não retornou para o segundo tempo da partida, sem dar maiores explicações.

Outra informação que está sendo investigada é a de que o médico que atendeu aos jogadores do Ipitanga, Dr. Belarmino de Melo, teria sido indicado pela Catuense, inclusive tendo trabalhado nos jogos do clube de Catu durante toda a a competição.

A presidente da catuense, Maria Aparecida Pena, não se manifestou até o momento sobre as denúncias. Há informações de que ela esteve em Alagoinhas assistindo a partida entre Camaçari X Ipitanga.

Caso haja comprovação de que houve interferência externa para que os jogadores do Ipitanga caíssem em campo, a Catuense corre sério risco de perder a vaga na 1ª divisão do futebol baiano em 2014 e pode ser banida do futebol.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia