Terra

Até a temporada de 2011, eram oito anos sem títulos. Se você quiser levar em conta apenas conquistas nacionais, era preciso voltar até 2000. Por essa sede, o Vasco, campeão da Copa do Brasil e franco-atirador na última rodada do Campeonato Brasileiro, quer mais um troféu em seu ano mágico. Por um lugar na final da Copa Sul-Americana, então, a missão aponta para o Estádio Santa Laura, em Santiago. É lá que os vascaínos pegam a Universidad do Chile pela decisão continental às 21h50 (de Brasília) desta quarta.

Mas não é só pela sede de títulos, mas sim em função da possibilidade de continuar a reescrever a história do futebol em 2011. O Vasco, nas mãos de Cristóvão Borges desde o fim de agosto, mantém a fama de equipe insuperável, o que se fortaleceu com as classificações improváveis conquistadas contra o Aurora da Bolívia (8 a 3) e Universitário do Peru (5 a 2), ambas em São Januário. O desafio da vez é mais complicado.

Em seu domínio, o Vasco ficou no empate por 1 a 1 contra a Universidad do Chile na última quarta. Depois de um primeiro tempo convincente, a equipe tentou esfriar a partida e acabou castigada por González aos 33min da etapa final. Por isso, avançar à final requer uma vitória ou placar de igualdade a partir de 2 a 2. A invencibilidade dos chilenos chegou a 30 jogos no último domingo com empate fora de casa contra o Audax Italiano.