Globo Esportes

luxemburgo_doriva280

Na teoria, é apenas um jogo amistoso. Mas tal palavra não existe no dicionário do clássico Flamengo e Vasco. Nesta quarta-feira, os dois rivais vão se encontrar na Arena da Amazônia às 22h (de Brasília, 20h no horário local). Será a abertura do Torneio de Manaus. Será o reencontro de rubro-negros e cruz-maltinos após a polêmica final do Campeonato Carioca de 2014 – ganha pelo Fla com um gol em impedimento no último minuto. Será ainda o primeiro confronto entre as equipes depois do retorno do presidente Eurico Miranda ao poder em São Januário. E acredite: de amistoso, esse jogo não tem nada.

Para entender o clima, basta analisar as declarações de ambas as partes nos últimos dias. Pelo lado cruz-maltino, o zagueiro Rodrigo disse que nesse clássico “não dá para brincar nem no par ou ímpar”. O técnico Doriva não ficou atrás. Antes do primeiro Flamengo x Vasco de sua carreira, o ex-volante ressaltou o peso do confronto.

– Jogos contra o Flamengo são sempre importantes. Tem um peso grande. Sabemos que estamos no início da temporada, a equipe ainda em formação. Mas com certeza vamos jogar para dar o nosso melhor. Vamos jogar para vencer, sempre respeitando o adversário. Rivalidade vai ter sempre. É um jogo que envolve muita coisa – frisou.

Sem perder para o rival há oito partidas (quatro vitórias e quatro empates), o Flamengo não quer saber de clima festivo para o jogo em Manaus. Com dois empates em 2015 – jogo-treino com o RB Brasil e amistoso com o Shakhtar Donetsk -, Vanderlei Luxemburgo sabe da importância de derrotar o maior rival para o moral da equipe e também faz questão de ressaltar o peso da partida em entrevistas. Se em pré-temporada o principal é ajustar a equipe, o clássico desta quarta vai além na opinião do treinador:

– Independentemente do Vasco estar em montagem e o Flamengo refazendo o time, Flamengo x Vasco vai ter rivalidade até em Marte sempre. Todos querem ganhar. Vai ser um belo jogo, que não é um jogo normal por tudo que existe. O resultado é importante pela rivalidade, não pela preparação do time.