WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
novo uniao supermercados








maio 2024
D S T Q Q S S
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

drupal counter

:: ‘TREINADORES’

Preparação e estudos apontam nova tendência dos treinadores brasileiros

Globo Esportes

felipepedrinho

Felipe e Pedrinho foram confirmados como técnico e auxiliar, respectivamente, do Tigres para a disputa do Campeonato Carioca de 2017. Formados nas categorias de base do Vasco, e com uma larga experiência no futebol, eles vão dar o pontapé inicial na preparação da equipe para o Estadual. Porém, ambos fazem parte de uma rotina cada vez mais comum entre ex-jogadores, técnicos e profissionais ligados ao futebol: a preparação com base em estudos e cursos. Passaram pela sala de aula da CBF e pegaram o diploma de treinador. A entidade concentra atualmente vários cursos voltados para o esporte, a preparação e a especialização, e pretende tornar obrigatório até 2020 a cobrança do diploma para treinadores trabalharem no futebol brasileiro.

Atualmente não é obrigatório o certificado de treinador formado em cursos da CBF, ou outros, para comandar clubes nas principais divisões do futebol brasileiro, nem no trabalho com a base. Maurício Marques, coordenador do curso de técnicos da CBF, explica que há uma questão jurídica em andamento entre Sindicatos de Treinadores, Conselhos de Educação Física e outros órgãos que não têm um caminho em comum para essa decisão. Porém, ele deixa claro que a entidade máxima do futebol brasileiro trabalha para capacitar os profissionais e qualificar a entrada dos mesmos no mercado do futebol. Por conta disso, estipulou somente para 2020 o período que considera ideal para exigir a carteira de treinador.

– Esses cursos acontecem desde 2009. Até 2012 era em parceria com uma universidade de Minas Gerais, três cursos por ano. Esse ano serão 14, e esperamos que no ano que vem possamos oferecer 20 cursos. Até 2020, mais de quatro mil profissionais devem ser qualificados para comandar clubes de todas as divisões, além da base. A partir de 2020 queremos tornar obrigatório no currículo. Como acontece no mundo todo, em poucos países não há certificado – explicou ao GloboEsporte.com.

“Mais novos” no banco de reservas do que PC Gusmão, Felipe e Pedrinho aproveitaram cada momento dos ensinamentos e trocas de informações que tiveram no curso na Granja Comary, em Teresópolis. Ambos fizeram a licença B e avançaram ao cursarem a licença A para trabalharem em equipes profissionais. Com formação ligada ao futsal, e uma habilidade muito apurada, Felipe já tem até em mente o estilho de jogo que pretende implementar em suas equipes. Além disso, vibra com essa nova tendência entre os profissionais ligados ao futebol, que buscam cada vez mais uma preparação adequada para as necessidades do esporte:

A CBF oferece três cursos para treinadores que desejam trabalhar desde a base até o futebol profissional (veja mais ao lado). Para iniciar o trabalho com crianças em escolinhas, o curso que está com inscrições em andamento é o chamado de licença C. O custo para pagamento à vista é de R$ 5.004,00. Já o licença B sai por R$ 7.250,80. O mais caro é o licença A: R$ 8.227,00 à vista.

Após Luxa, Mano Menezes é outro brasileiro a deixar o futebol chinês

Globo Espotes

shandong

Mano Menezes não é mais o treinador do Shandong Luneng. Após Vanderlei Luxemburgo deixar o comando do Tianjin Quanjian, o técnico brasileiro acertou a saída do time chinês nesta terça-feira. Segundo uma nota oficial divulgada no site do ex-treinador de Cruzeiro e Corinthians, a decisão foi tomada em comum acordo entre as duas partes.

– Após reunião nesta terça-feira com a presidência do clube, decidimos em consenso interromper as nossas atividades no Shandong Luneng. Depois de seis meses de trabalho, o que marcar é a inédita classificação do clube entre os oito melhores da Champions Asiática 2016, que terá suas quartas de final disputadas no segundo semestre – informou a nota divulgada pelo treinador.

Sem conseguiu levar o time às quartas de final da Liga dos Campeões da Ásia, o treinador não vivia bom momento no Campeonato Chinês. Vindo de cinco tropeços seguidos, o último deles uma derrota em casa para o Beijing Guoan, o Shandong Luneng caiu para as últimas colocações, apenas um ponto à frente do lanterna Liaoning Whowin.

– Agradecemos aos jogadores, ao clube pela oportunidade, à torcida pelo apoio e à imprensa pela cobertura correta e equilibrada da nossa passagem pelo futebol chinês. Sobretudo, desejamos sucesso ao Shandong Luneng na sequência do trabalho – completou a nota.

O clube divulgou uma nota na mesma linha para dizer que a decisão foi tomada de forma amigável entre ambas as partes. Além disso, revelou que o pedido de deixar o clube foi feito pelo próprio treinador por razões pessoais, e o comando técnico da equipe ficará a cargo dos auxiliares chineses que trabalhavam com Mano.

A saída de Mano do Shandong Luneng acontece dias depois de Luxemburgo ser afastado do comando do Tianjin Quanjian. Após nova derrota do Tianjin Quanjian na sexta-feira – a quarta na segunda divisão da China -, o clube o tirou do cargo e agora negocia o pagamento da multa de R$ 26,9 milhões. Segundo o jornalista Gianluca Di Marzio noticiou nesta terça, o italiano Fabio Cannavaro será o substituto do brasileiro.

Rodada do Brasileiro teve mais técnicos expulsos que atletas

Terra

57422d4ad8219

A segunda rodada da Série A Campeonato Brasileiro contou com um fato inusitado: os árbitros expulsaram mais treinadores do que jogadores. Afinal, dos cinco cartões vermelhos, três foram para os “professores” Gilson Kleina (Coritiba), Paulo Autuori (Atlético-PR) e Cuca (Palmeiras). Já os jogadores expulsos foram apenas dois: Vânder (Vitória) e Alex (Internacional).

O alto número de treinadores expulsos foi motivada por uma determinação da comissão de arbitragem da CBF, que pediu na semana passada um maior rigor para as reclamações dos comandantes. E os três foram expulsos por isso. No caso de Paulo Autuori, ele assegura que o cartão vermelho foi injusto.

“O quarto árbitro disse que xinguei a equipe de arbitragem. Mentira. Com todas as letras: mentira.”

Na súmula, o árbitro Flávio Rodrígues de Souza escreveu o seguinte: “O quarto árbitro me informou que o treinador Paulo Autuori reclamou de forma ostensiva dizendo o seguinte: ‘Vocês são uns merdas, C*.Não marca uma para mim’. Informo também que o treinador nos esperou na zona mista e com o dedo em riste para o quarto árbitro disse ‘agora a conversa é de home m para homem’ e ele teve de ser contido pelos seguranças e pela PM.”

Já no caso da expulsão de Gilson Kleina do Coritiba na derrota para o Santos, o árbitro Ricardo Marques Ribeiro relatou na súmula que “após o gol da equipe do Santos, expulsei da área técnica o Sr. Gilson Kleina, técnico da equipe do Coritiba, por me aplaudir de forma irônica e ainda dizendo as seguintes palavras: ‘Você é um filho da p., vai comemorar agora junto com o Santos’. Após o término da partida, o referido treinador ainda invadiu o campo de jogo, se dirigindo em minha direção, proferindo as seguintes palavras: ‘Sacanagem Ricardo, vai comemorar com o Santos, este acréscimo não existe!”.

Dos três expulsos, Cuca foi o treinador que teve a súmula menos carregada: “expulsei o treinador do Palmeiras por gesticular de forma acintosa (dando um soco no ar) contra a decisão do árbitro no momento de marcação de uma falta a favor da equipe da Ponte Preta. Após a saída do treinador, o jogo recomeçou” relatou o árbitro Leandro Vuaden.

Vale lembrar que os dois jogadores expulsos – Vânder (Vitória, contra o Corinthians) e Alex (Internacional, contra o São Paulo) – também levaram o vermelho não por jogada violenta, mas por reclamação.

11990482_677264472375720_7526595543322411409_n

Cinco técnicos já perderam cargos em apenas três rodadas do Baiano

Da Redação
Fonte Tribuna da Bahia

Índice

O índice deve ser com certeza, inédito e histórico no futebol brasileiro. Depois da bola rolar para a 3ª Rodada do Campeonato Baiano desta temporada, cinco treinadores já foram demitidos dos seus cargos.

Depois do Colo-Colo demitir o técnico Fernando Dourado e contratar Gilmey Aimbêre; do Jacobina trocar Edson Ferreira pelo treinador Paulo Sales: a Jacuipense demitir o técnico Cléber beleza e contratar Paulo Foiani e a Juazeirense dispensar Sérgio Araújo e colocar o auxiloiar Janilton Silva para assumir a equipe, neste final de semana mais um técnico de um clube que disputa a competição perdeu o cargo. O Feirense anunciou que o treinador Laur Hnery não é mais o comandante do time.A decisão foi tomada depois da derrota para a Juazeirense por 3 a 0, no estádio Paulo de Souza Coelho , em Petrolina-PE.

Estas demisssões prova a fragilidade e a absoluta falta de programação, estrutura, dos clubes do interior para a disputa da competição que não tem sequer 30 dias, começou em 30 de janeiro.

Confira os jogos da 4ª rodada
Sábado
16:00

Feirense x Flamengo de Guanambi
Domingo
16:00

Jacuipense x Bahia de Feira
Jacobina x Colo-Colo
Vitória da Conquista x Juazeirense
17:00
Fluminense x Vitória
Quarta (09/03)
21:45

Bahia x Galícia

outdoor_pq

Queda dos técnicos no Brasileiro acontece cada vez mais na parte de baixo da tabela

Uol

622_f0d05493-ff5c-3652-b3f0-0b802425681d.gif

Vanderlei Luxemburgo foi o 16º técnico demitido no Brasileiro-2015. É muito, mas pelo menos algo melhorou no futebol: os clubes estão demitindo os treinadores com uma posição mais delicada na classificação do campeonato.

Atualmente, as equipes que decidem demitir o comandante ocupam, na média, a posição 16,3. Comparando as oito últimas temporadas, esta é a colocação média mais baixa de todas. De 2008 a 2012, o número variou entre 14,5 e 14,2. Em 2013 e 2014, saltou para 16 e 15,6, respectivamente.

Alguns exemplos mostram bem o quesito “impaciência”. Em 2010, o Ceará era 3º colocado quando demitiu Estevam Soarez, que havia chegado pouco tempo antes para substituir PC Gusmão, contratado pelo Vasco. Em 2011, Carpegiani saiu do São Paulo ocupando a 3ª posição. Já no Brasileiro passado, o técnico demitido em melhor posição foi Doriva, no 9º lugar com o Atlético Paranaense. Este ano, Diego Aguirre deixou o Inter em 10º.

Apesar disso, a quantidade de demissões continua alta. Uma explicação é a oscilação grande da maioria dos times. Conforme eles se revezam nas últimas posições, a “dança das cadeiras” dos técnicos vai acontecendo, mas não deixa de ser positivo que ela se restrinja cada vez mais aos últimos.

A melhora neste quesito pode ser vista pela média geral das edições recentes da Série A. Desde 2010, a colocação média dos demitidos vem descendo gradativamente, passando de 14, cinco anos atrás, para 16,2 na temporada passada.

Guto Ferreira é demitido da Ponte Preta e Série A tem só três trabalhos iniciados em 2014

Lancenet

622_a33bd503-4299-36c3-8ac3-072ad67efb64

Guto Ferreira foi o décimo segundo técnico a perder o emprego no Campeonato Brasileiro de 2015. Demitido da Ponte Preta nesta segunda-feira, ele era um dos quatro sobreviventes que tinham iniciado o trabalho no ano passado. Agora só restam três treinadores assim: Eduardo Baptista (desde janeiro no Sport), Levir Culpi (desde abril no Atlético-MG) e Argel (desde julho no Figueirense). No total são 13 mudanças de comando até o momento, já que Juan Carlos Osorio chegou ao São Paulo para ocupar a vaga de Milton Cruz.

Trocas de comando no Brasileirão 2015:

Depois da segunda rodada:
1 – Grêmio: saiu Felipão / entrou James Freitas (interino) e na quarta rodada Roger assumiu.
2 – Fluminense: saiu Ricardo Drubscky / entrou Enderson Moreira
Depois da terceira rodada:
3 – Flamengo: saiu Luxemburgo / entrou: Jayme de Almeida (interino) e Cristovão Borges assumiu na quarta rodada.
Depois da quarta rodada:
4 – Cruzeiro: saiu Marcelo Oliveira / entrou: Vanderlei Luxemburgo
Depois da quinta rodada:
5 – Joinville: saiu Hemerson Maria / entrou Adilson Baptista
6 – São Paulo: saiu Milton Cruz / entrou: Juan Carlos Osorio
7 – Coritiba: saiu Marquinhos Santos / entrou Ney Franco
Depois da sexta rodada:
8 – Palmeiras: saiu Oswaldo de Oliveira / entrou Alberto Valentim na sétima rodada e Marcelo Oliveira assumiu na oitava.
Depois da oitava rodada:
9 – Vasco: saiu Doriva / entrou Celso Roth
10 – Goiás: saiu Hélio dos Anjos / entrou Augusto César e Julinho Camargo assumiu na décima terceira rodada.
Depois da décima segunda rodada:
11 – Santos: saiu Marcelo Fernandes / entrou Dorival Júnio
Depois da décima quinta rodada:
12 – Joinville: saiu Adilson Batista / entrou PC Gusmão
Depois da décima sexta rodada:
13 – Ponte Preta: saiu Guto Ferreira

468x60_simonassi127

Confira os melhores técnicos do mundo em 2015

Lancenet

Jose_Mourinho_Chelsea_LANIMA20150715_0255_38

A revista inglesa FourFourTwo elegeu os 50 melhores técnicos do mundo em 2015 e não colocou nenhum brasileiro na lista. O único representante do futebol brasileiro é o colombiano Juan Carlos Osorio, técnico do São Paulo, que aparece em 49º. O líder da lista é Jose Mourinho, The Special One, técnico do Chelsea.

O português, de 52 anos, retornou ao Chelsea e foi campeão da Premier League sendo líder em 37 das 38 rodadas. A publicação destaca o fato de Mourinho não ter revolucionado o futebol, mas ser eficiente nas suas táticas e em manter o alto padrão de suas equipes, especialmente em momentos delicados. É, acima de tudo, um estrategista.

Maior adversário de Mourinho na época em que estava na Espanha, Pep Guardiola é o 2º melhor do mundo. O espanhol conseguiu o bicampeonato da Bundesliga com o Bayern de Munique e foi semifinalista da Liga dos Campeões, mesmo com diversos desfalques durante a temporada.

Campeão da Copa do Rei, Espanhol e da Liga dos Campeões pelo Barcelona, Luis Henrique terminou a temporada prestigiado no clube. Após uma briga com Messi e reclamações de Neymar por substituições, o técnico arrumou o time e ganhou tudo.

O ranking da publicação inglesa tem apenas um sul-americano entre os dez melhores, o argentino Diego Simeone, do Atlético de Madrid. O top-10 tem ainda Allegri, Klopp, Unai Emery, Joachim Low, Ancelotti e Laurent Blanc.

Brasileirão já teve mais treinadores demitidos do que rodadas disputadas

Galáticos Online

marquinhos

Sem fugir da cultura do futebol brasileiro, onde o primeiro culpado pela derrota é o treinador, o Campeonato Brasileiro da Série A já acumula mais demissões de técnicos do que rodadas realizadas em 2015.

Até agora foram seis rodadas disputadas na competição e sete treinadores demitidos, contabilizando a saída de Oswaldo Oliveira. Antes do ex-técnico do Palmeiras, saíram Luiz Felipe Scolari, Ricardo Drubscky, Vanderlei Luxemburgo, Marcelo Oliveira, Hemerson Maria e Marquinhos Santos já haviam sido demitidos.

O número de demissões na Série A ainda pode aumentar. Isso porque, Doriva tem o cargo ameaçado no Vasco e pode, a qualquer momento, ser desligado do time carioca.

Se Doriva deixar o comando do clube carioca, o número de oito demissões em seis rodadas será igualado a 2014 e 2013, quando também ocorreram o mesmo número de saída de treinadores na mesma quantidade de rodadas realizadas.

Apenas times do G-4 do Brasileirão não trocaram de treinadores este ano

Galáticos Online

marcelo oliveira

Coincidência ou não, apenas, os quatro integrantes do G-4 do Campeonato Brasileiro, na última rodada, não trocaram de treinadores durante a temporada 2014. Cruzeiro, Internacional, São Paulo e Corinthians permanecem com os mesmos comandantes desde o início do ano.

Outras equipes também não mexeram em seus comandantes durante o Brasileirão. Fluminense, com Cristóvão Borges, Sport com Eduardo Baptista e o Botafogo com Vagner Mancini. Destes, apenas, o time carioca não frequenta a primeira página da tabela da competição nacional.

Na Bahia, as duas agremiações já modificaram de técnicos. O Vitória começou o ano com Ney Franco, passou por Jorginho e voltou para Ney Franco. O Bahia iniciou a temporada com Marquinhos Santos e agora é comandado por Gilson Kleina.

Os últimos times a trocarem de treinadores foram Santos (demitindo Osvaldo Oliveira e contratando Enderson Moreira) e Palmeiras (Gareca saindo e chegando Dorival Júnior).

outdoor_pq

BAIANO: Com treinadores conhecidos, competição começa nesta quarta-feira

Futebol Interior

0002048145417_img

O Campeonato Baiano começa nesta quarta-feira com quatros jogos, mas ainda sem as presenças dos grandes Bahia e Vitória, que estão na Copa do Nordeste, junto com o Vitória da Conquista que fez um bom campeonato em 2013 sob o comando de Moacir Junior, atualmente no Tombense-MG.

Nesta primeira fase, da Primeira Divisão baiana, nove equipes se enfrentarão em turno único, com os cinco primeiros se classificando para a segunda fase, quando estarão se juntando à Vitória (atual campeão), Bahia e Vitória da Conquista em dois grupos de quatro times cada.

O melhor colocado desta primeira fase do Campeonato Baiano garante uma vaga na Copa do Nordeste de 2015, mas os dois últimos colocados serão rebaixados o que acaba deixando os três times da Bahia que estão na Copa do Nordeste livres da ameaça do rebaixamento.

A novidade é a presença de dois times tradicionais de Salvador: Galícia e Botafogo, mas o Botafogo está se transferindo para a cidade de Serrinha. Já o Galícia está investindo e terá um treinador conhecido que é Waguinho Dias, que já comandou o Guarani e o Rio Branco de Americana, no interior paulista.

O Galícia fará sua estreia em Juazeiro, contra o Juazeirense do treinador Quintino Barbosa, que já comandou a equipe em outras ocasiões.

Outro treinador conhecido que está no Campeonato Baiano é Celso Teixeira. Celso já comandou times importantes em São Paulo como Ponte Preta, Bragantino e Paulista, mas que tem feito sucesso no Nordeste. Na temporada passada surpreendeu ao levar o modesto Potiguar de Mossoró ao título de campeão do Rio Grande do Norte, superando ABC e América.

Celso Teixeira será o treinador do Bahia de Feira de Santana, que começará a competição jogando na noite desta quarta-feira em seu estádio Jóia da Princesa contra o Botafogo, do treinador Hugo Aparecido, ex-meia do Vitória-BA e Fluminense de Feira-BA.

Ainda nesta primeira rodada, a Catuense, que fez sucesso nos anos 1980 revelando o meia Bobô, receberá em Alagoinhas o Juazeiro, comandado pelo desconhecido treinador Janilson Silva, ex-jogador da Desportiva-ES.

A Catuense tem como treinador o gaúcho Sérgio Odilon, de 50 anos. Sérgio Odilon foi zagueiro do Caxias-RS, Vitória-BA e Fortaleza-CE e que tem feito bons trabalhos em times médios do Nordeste. Para esta temporada, a Catuense mesclará jogadores veteranos, com jovens promessas.

Completando a primeira rodada, na cidade de Riachão do Jacuípe, o Jacuipense receberá o Serrano. O Jacuipense tem como atração seu gerente de futebol Marcelino Paulista, ex-volante do Corinthians, Guarani e Botafogo-RJ. Emerson Pereira, também iniciando na carreira, é o treinador do clube que tenta forçar uma exposição na mídia dizendo que a torcida poderá escalar o time por um aplicativo de celular. Já o Serrano, da cidade de Vitória da Conquista, é comandado por Rafael Soriano, que dirigiu equipes na segunda divisão carioca.

Nesta primeira rodada o Feirense, também de Feira de Santana, estará folgando na rodada. O time tem como treinador George Litiere, que inicia na carreira após ter sido auxiliar-técnico de vários times como Vila Nova-GO e Vitória-BA e entra na competição sonhando em passar de fase.













comercial tommacon



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia