WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
novo uniao supermercados








junho 2024
D S T Q Q S S
« maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

drupal counter

:: ‘Vasco’

Vasco tem gol mal anulado, mas bate Resende com pênalti polêmico: 1 a 0

Globo Esportes

douglas_glo_alexandrecassiano

Assim como a final do Campeonato Carioca, a arbitragem voltou a roubar a cena num jogo do Vasco. Mas desta vez os jogadores saíram de campo sem ter que lamentar um revés. Na noite desta quarta-feira, o Cruz-Maltino teve um gol mal anulado de André Rocha, mas venceu o Resende por 1 a 0 num pênalti polêmico convertido por Douglas. Após o 0 a 0 no primeiro duelo em Manaus, o resultado classificou a equipe para a segunda fase da Copa do Brasil diante de um animado público de 8.336 pagantes (9.030 presentes), que gritou a plenos pulmões “é campeão”, levou faixas em alusão ao título estadual perdido para o Flamengo e usou até nariz de palhaço em protesto contra a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro. A renda da partida foi de R$ 268.335,00.

– Essa torcida chega a arrepiar. Foi um negócio muito triste para a gente ter perdido esse título. A torcida faz toda diferença, nosso desempenho também, a torcida age e acordo com nosso desempenho, e temos mostrado raça, união. A torcida merece isso aí – destacou André Rocha.

Mas não foi fácil. O Vasco teve enorme dificuldade contra um adversário recuado e eficiente na marcação. Desfalcado de Rodrigo, Guiñazu, Edmílson e Thalles, o time demonstrou certo nervosismo e por momentos transformou o apoio da arquibancada em irritação, especialmente com a arbitragem de Rodrigo Carvalhaes de Miranda. E com Martín Silva como mero espectador, o maior susto foi fora de campo. Everton Costa foi substituído aos 7 do segundo tempo e, aos 25, teve uma convulsão no banco de reservas e, de ambulância, foi para um hospital próximo do estádio.

Na próxima fase, o Vasco enfrenta o Treze-PB, que eliminou a Tombense-MG. A CBF ainda vai marcar as datas para os confrontos, mas o primeiro duelo será na Paraíba, e o Cruz-Maltino pode eliminar a partida de volta em caso de vitória por dois ou mais gols de diferença. Antes, o clube estreia na Série B do Campeonato Brasileiro neste sábado, às 16h20 (de Brasília), contra o AMérica-MG novamente em São Januário.

unimarc-modelo-4

Vasco anuncia medidas e vai pedir a anulação da partida final do Carioca

Globo Esporte

vasco_coletiva-ms

Para o Vasco, o Campeonato Carioca ainda não acabou. Na tarde desta segunda-feira, um dia após o empate por 1 a 1 com o Flamengo, a diretoria cruz-maltina se reuniu para definir quais medidas vai tomar após o gol irregular que deu o título estadual para o rival. Entre as providências, o clube vai tentar anular o resultado da final no Tribunal de Justiça Desportiva do Rio (TJD/RJ) por causa do erro na súmula do jogo, que apontou o autor do gol como Nixon no lugar de Márcio Araújo. Uma ação reparatória contra a Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj) será protocolada na Justiça Comum, fará uma representação na CBF e na Fifa pedindo a exclusão dos árbitros envolvidos na partida, além de uma denúncia formal no TJD contra o goleiro Felipe por suas declarações após o confronto.

A reunião em São Januário mobilizou a diretoria vascaína. Estavam presentes na coletiva de imprensa o presidente Roberto Dinamite, o diretor geral Cristiano Koehler, o diretor executivo de futebol, Rodrigo Caetano, o advogado Marcello Macedo, o vice-presidente geral Antônio Peralta, o presidente da Assembleia Geral Olavo Monteiro de Carvalho, além de representantes do marketing. Segundo Macedo, a súmula da partida “está tentando transformar erro de direito em erro de fato” ao apontar Nixon e não Márcio Araújo como autor do gol.

– Estou aqui para colocar o que pretendemos adotar como providência de imediato. A primeira ainda amanhã (terça-feira) será a notificação da Ferj, juntamente ao seu Rabello (Jorge, presidente da Comissão de Arbitragem do Rio de Janeiro), e a notificação da comissão de arbitragem e dos árbitros que participaram da partida. O erro cometido é gravíssimo e tem um agravante pela prática do erro cometido na confecção da súmula. Isso nos deixou preocupados. Ficou estampado um erro de direito, foi reconhecido pela federação, pelo trio de arbitragem… Todos sabiam que o Márcio Araújo havia feito o gol, ninguém tinha dúvidas, e a súmula equivocadamente e propositadamente aponta o Nixon. Estão tentando transformar um erro de direito em erro de fato. É um problema ainda maior. Vamos dar entrada ainda em uma ação reparatória contra a Ferj na Justiça Comum e pedir também a anulação da partida. Se for necessário, vamos às veias criminais. Temos que ser reparados pelos prejuízos que sofremos – até mesmo de ordem moral – por um título que não tinha como Vasco perder naquele momento. Vamos fazer uma representação na Fifa e na CBF pedindo a exclusão dos árbitros envolvidos no jogo e ainda uma representação contra o goleiro Felipe por suas declarações no fim da partida – frisou.

Quem deu início ao pronunciamento foi o presidente Roberto Dinamite. Ele deixou claro que o clube deseja ver o futebol do Rio em alto nível e pediu a adoção da tecnologia no esporte para evitar que erros como o de domingo se repitam.

– É importante deixar claro todas as medidas que vamos tomar. Estou aqui com meus diretores, vice-presidentes, com a parte jurídica do clube… Antes de mais nada quero dizer que muitas vezes sou criticado por querer e desejar o futebol do Rio de Janeiro em alto nível. O Vasco se preparou para essa competição e isso não foi suficiente. Foi tudo jogada por água. Fomos nitidamente prejudicados nos resultados, nas finanças, nos nossos compromissos. Todos têm o direito de errar, mas coincidentemente só contra o Vasco e praticamente as mesmas pessoas é difícil de engolir. Estamos buscando, acima de tudo, o respeito. Não queremos ser beneficiados, mas não podemos mais ser prejudicados. Principalmente no confronto direto contra o Flamengo.

Um tempo do Vasco, outro do Fla: primeiro ato da final fica no 1 a 1

Globo Esportes

edmilson_samir_vasco_flamengo_andredurao

Nem Edmílson, tampouco Alecsandro. A tarde não era dos artilheiros. Não houve superioridade da melhor defesa e muito menos do ataque mais positivo da competição. E, ao dominarem um tempo cada um, Vasco e Flamengo fizeram um confronto equilibrado, neste domingo, no Maracanã, na primeira final do Carioca. Resultado: 1 a 1, que pelo regulamento dá a vantagem do empate ao Rubro-Negro na partida final para conquistar o título carioca.

O Vasco começou melhor e dominou o primeiro tempo, com um gol logo no início, de Rodrigo. Mas a expulsão de Everton Costa na etapa final equilibrou as ações, o Rubro-Negro empatou com um golaço de Paulinho e agora fica em vantagem.

– O time entrou desatento, o Jayme conversou com a gente, que não podíamos deixar passar essa oportunidade. No segundo tempo, botamos a cabeça no lugar e empatamos o jogo – afirmou Paulinho após o jogo.

O Cruz-Maltino precisa ganhar para encerrar o jejum desde 2003 sem um título carioca. Terá a semana livre para treinar, enquanto o Flamengo encara, quarta-feira, às 19h45m (de Brasília), no Maracanã, o León pela Libertadores.

– Não faltou nada. Fizemos o que tínhamos que fazer, mesmo com um a menos. É levantar a cabeça para o próximo jogo. Vamos trabalhar durante a semana – disse Reginaldo.

Nem mesmo o fato de os rivais não se enfrentarem em finais do estadual há dez anos animou o público. Foram 20.844 pagantes (26.242 presentes, com renda de R$ 1.324.300,00). O maior do campeonato, superando a segunda semifinal entre Fluminense e Vasco, com 15.925 pagantes, mas ainda muito abaixo do esperado em uma decisão.

468x60_simonassi127

CARIOCA: Clássico dos milhões com atrativos à beça

Futebol Interior

vasco-x-flamengo-ao-vivo

Um jogo entre Vasco e Flamengo por si só já é um grande atrativo e motivo de sobra para ir ao estádio. Se tratando de uma final, então, a emoção se torna ainda maior. Neste domingo, às 16 horas, os times se enfrentam no primeiro jogo da decisão do Campeonato Carioca e em momentos bastante distintos.

Motivos não faltarão para acompanhar a partida. Em primeiro lugar, estarão frente a frente dois dos clubes mais populares do país e que possuem as maiores torcidas do estado do Rio de janeiro. Em segundo lugar, será um confronto que vale título, ainda que seja a partida de ida, um tropeço muito grande complica para o jogo de volta. Em terceiro lugar, o confronto será no histórico Maracanã.

Além desses motivos, cada time precisa provar uma coisa para o seu torcedor. Com chances de ser eliminado na Copa Libertadores (o time precisa pelo menos empatar na última rodada para se classificar), o Flamengo quer começar o ano com um título e amenizar as pressões para os segundo semestre. A pressão sobre o Vasco é ainda maior. No ano passado, o clube caiu para a Série B do campeonato Brasileiro e a desconfiança sobre o elenco só aumentou.

Os dois clubes fizeram por merecer para chegarem na final. O Flamengo terminou a Fase de Classificação em primeiro lugar e depois despachou a Cabofriense nas semifinais com duas goleadas. O Vasco foi terceiro colocado na Primeira fase, mas mostrou sua força eliminando o Fluminense nas semifinais, com um empate e depois uma vitória.

Clássico dos Milhões… de gringos: dez anos depois, Fla e Vasco se reencontram em final recheada de estrangeiros

Esportes.br

C518152238A4EFC87395994545CC8A

8 de abril de 2004. Já em vantagem após ter vencido o Vasco por 2 a 1 no jogo de ida, o Flamengo volta a triunfar, desta vez por 3 a 1, e conquista o Campeonato Carioca. O herói da tarde foi Jean, que marcou os três gols. 6 de abril de 2014. Dez anos depois, os rivais históricos voltarão a se encontrar em uma final de Estadual.

Muita coisa mudou desde então. O Vasco, até então desconhecedor da Série B, foi rebaixado em 2008, reergueu-se, conquistou a Copa do Brasil em 2011 e voltou a cair no ano passado. O Flamengo também venceu a Copa do Brasil, em 2006, sobre o próprio Vasco, e voltou a comemorar um título de Campeonato Brasileiro após 17 anos de jejum, em 2009.

Além de todas as glórias e decepções, um outro fator será diferente quando os rivais entrarem em campo às 16h (de Brasília) deste domingo, em um Maracanã bastante modificado: o idioma falado.

Em 2004, as duas partidas que decidiram o Estadual não tiveram a presença de um estrangeiro sequer. Apenas durante o Campeonato Brasileiro, o sérvio Petkovic, “carrasco” vascaíno em 2001, defendeu o próprio Cruzmaltino em um clássico, e marcou o gol da vitória por 1 a 0.

Hoje, o panorama é bem diferente. Se o time titular do Flamengo fala português nativamente, o banco é recheado de castelhano, com a “promessa” argentina Lucas Mugni e os zagueiros Erazo (Equador) e Marcos González (Chile). O paraguaio Cáceres, que chegou a disputar o clássico da primeira fase, recupera-se de lesão.

No Vasco, a “invasão” estrangeira é mais preponderante, com duas das principais referências vindo do outro lado do Rio da Prata: o volante argentino Guiñazú, que carrega a faixa de capitão, e o goleiro uruguaio Martín Silva, que caiu nas graças da torcida ao trazer estabilidade debaixo dos quatro paus após um ano de 2013 catastrófico. O paraguaio Aranda e o colombiano Montoya ainda aparecem como opções para o segundo tempo.

A explicação para o aumento de estrangeiros envolve o poderio financeiro do futebol brasileiro, hoje muito maior do que era dez anos atrás. Não obstante, a CBF aprovou no ano passado uma regra que dá aos clubes a possibilidade de utilizar até cinco jogadores não-brasileiros por partida em competições nacionais, ao invés dos três que eram permitidos até então.

Apesar de tudo, se um “gringo” decidir o Campeonato Carioca deste ano, não se tratará de algo inédito. Já no longínquo ano de 1944, o argentino Agustín Valido marcou o único gol da vitória de 1 a 0 do Flamengo sobre o Vasco e, mesmo atuando com 39 graus de febre, deu o título estadual ao seu clube.

Em 2001, Petkovic entrou para a história ao marcar um lindo gol de falta já aos 43 da etapa final, que garantiu outra conquista rubro-negra. O placar apontava 2 a 1 para o Fla, mas o Vasco ia sagrando-se campeão graças a uma vitória por 2 a 1 no jogo de ida e uma vantagem nos critérios de desempate, por ter feito melhor campanha na fase anterior.

Embora não tão decisivos, outros estrangeiros também marcaram seus nomes nas histórias de Flamengo e Vasco, e de todo o futebol brasileiro. A função de gandula tem este nome graças ao argentino Bernardo Gandulla, contratado pelo Cruzmaltino em 1939. Na mesma época, a posição de meio-campista defensivo ganhou o nome que conserva até hoje graças a outro argentino, Carlos Martín Volante, que defendeu o Fla entre 1938 e 1943.

O argentino Andrada, campeão brasileiro em 1974, o zagueiro equatoriano Quiñonéz, que conquistou o mesmo título em 1989, e o argentino Conca, antes de tornar-se ídolo da torcida do Fluminense, foram outros estrangeiros notáveis da história do Vasco. No Flamengo, o “Diabo Louro” argentino Doval, que também defendeu o rival Flu, seus compatriotas Mancuso e Fillol e o equatoriano Rivera tiveram destaque. Agora, quem será que se eternizará nos próximos dois domingos? Martín Silva? Guiñazú? Mugni? É esperar para ver.

unimarc-modelo-4

Vasco pressiona, Mauro salva o Resende, e times empatam na estreia

Globo Esportes

img_4778

No primeiro grande teste da Arena Amazônia para a Copa do Mundo, nenhum gol em um jogo entre equipes do Rio de Janeiro. Os titulares sequer viajaram, e os reservas do Vasco até pressionaram, mas pararam no goleiro Mauro, do Resende, na noite desta quinta-feira, com mando de campo do time do Sul Fluminense. A grande maioria dos torcedores presentes era cruz-maltina. Empurraram o time em boa parte do tempo, xingaram o árbitro, fizeram ola e assistiram a partida movimentada, porém, sem gols: 0 a 0 na estreia pela primeira fase da Copa do Brasil. A Arena Amazônia recebeu público pagante de 38.189 pessoas (40.189 presentes). A renda foi de R$ 2.122.210,00.

– Não foi o resultado que a gente esperava. A gente veio aqui com o intuito de vencer, mas saiu com o empate. Não conseguimos fazer o gol fora, que é importante na Copa do Brasil. Mas acredito que criamos e infelizmente não conseguimos fazer o gol – disse Dakson.

Ao poupar os titulares, Adilson Batista deixou clara a prioridade para a decisão do Campeonato Carioca. Domingo começa. O clássico contra o Flamengo será às 16h. Já o confronto decisivo entre Vasco e Resende acontece dia 16, às 19h30m (de Brasília), em São Januário. Empate com gols dá a vaga para o Resende. Novo 0 a 0 leva a disputa para os pênaltis. Quem vencer avança.

Artilheiro Edmilson marca, Vasco elimina o Flu e pega o Fla na decisão

Globo Esportes

edmilson-marcosarcoverde-ae

O Vasco é o segundo finalista do Campeonato Carioca. O Cruz-Maltino fez o que precisava neste domingo: venceu o Fluminense, que jogava pelo empate, por 1 a 0, para 15.925 pagantes (19.586 presentes) pagantes no Maracanã. Edmílson fez o gol. O resultado deste domingo garantiu a equipe de Adilson Batista na decisão do Campeonato Carioca contra o Flamengo. Agora será preciso superar o trauma dos últimos anos, com quatro decisões de estadual perdidas (1999, 2000, 2001 e 2004) e uma pela Copa do Brasil (2006) contra os rubro-negros. Ainda, o Vasco precisa encerrar o jejum sem títulos estaduais. O último foi em 2003.

Há mais de dois anos os cruz-maltinos não perdem para os tricolores – cinco vitórias e três empates neste período. Nos últimos 20, números impressionantes: 33 triunfos vascaínos, contra 13 do Flu – 32 empates.

A decisão do Carioca se dará em dois jogos, nos próximos domingos. O Flamengo tem a vantagem de poder empatar duas vezes para ficar com a taça. Após a semifinal, Edmilson, autor do gol vascaíno e artilheiro isolado do Carioca, com 11, festejou o resultado e dividiu os méritos com os companheiros.

– Vitória do grupo, não fiz sozinho. Todos foram bem. A torcida acredita na gente por tudo o que aconteceu no passado. Tem que descansar, não tem nada decidido. Falta pouco. O mais importante é que é uma decisão, estamos nela e tudo pode acontecer – destacou o atacante.

No lado tricolor, o atacante Rafael Sobis reclamou do que considerou cera dos atletas do Vasco no segundo tempo, quando estavam em vantagem. – Pegamos um time bem postado, que sabe o que quer. Mas o juiz só dar três minutos de acréscimo, com o Vasco fazendo cera o tempo todo… Ele minou o jogo – lamentou.

Antes de se preocupar com os rubro-negros, o Vasco pega na quinta-feira o Resende, pela Copa do Brasil, na Arena Amazônia, jogo de ida da primeira fase. O Fluminense volta a campo em 10 de abril, em jogo de volta da Copa do Brasil, contra o Horizonte, no Rio.

unimarc-modelo-4

Fred marca, mas Vasco busca empate em ida de semi com Flu

Terra

concadisputadramalho

Vasco e Fluminense fizeram grande jogo na noite desta quinta-feira, no Estádio do Maracanã, pela semifinal do Campeonato Carioca. Com direito a bola na trave, gol do atacante Fred e empate do time cruzmaltino, o resultado final de 1 a 1 é melhor para a equipe das Laranjeiras, que por ter feito melhor campanha na primeira fase joga por nova igualdade para ir à decisão.

O retrato do clássico desta quinta foi parecido com o que ocorreu ao longo da etapa inicial do Estadual, já que o 1 a 1 no placar se repetiu. Os dois rivais, agora, se concentram para o duelo de volta, marcado para o próximo domingo, no mesmo Maracanã, a partir das 16h.

Na outra semifinal, o Flamengo tem situação mais tranquila, já que venceu a Cabofriense por 3 a 0 na ida.

Atacantes brilham, e clássico entre Flu e Vasco termina empatado: 1 a 1

Globo Esportes

martinsilva_fred_ricardoayres_pho

Edmilson abriu o placar para o Vasco no primeiro tempo; Fred deixou sua marca e igualou para o Fluminense na etapa final. E o clássico da noite deste domingo, no Maracanã, com gols de atacantes, terminou empatado: 1 a 1. Com o resultado, o Tricolor se manteve na segunda colocação, com 28 pontos, e deixou bem encaminhada a vantagem de jogar por dois empates na semifinal; o Cruz-Maltino segue em terceiro, com 26 pontos, mas enfim assegurou sua classificação.

Na última rodada, no próximo domingo, o Fluminense enfrenta o Volta Redonda. O Vasco pega o Duque de Caxias. Na semifinal, o primeiro colocado enfrenta o quarto, e o segundo pega o terceiro. Se a Taça Guanabara terminar com a classificação atual, haverá Flamengo x Cabofriense e Fluminense x Vasco.

Após o jogo, o atacante Walter, do Flu, comemorou o resultado. – Faltou pouco para fazer o gol da virada. O empate foi bom para os dois. Estamos de parabéns – disse o atacante Walter.

Pelo lado vascaíno, o zagueiro Luan comemorou o ponto conquistado, que garantiu a vaga vascaína na fase semifinal. – É clássico, né? Muito disputado, os dois tiveram oportunidades. Estamos classificados, devemos ser nós dois (Vasco e Flu) de novo nas semifinais. É trabalhar bastante – declarou.

Outros resultados
Friburguense 1 x 0 Resende
Madureira 1 x 2 Bonsucesso
Boavista 2 x 1 Botafogo
Volta Redonda 3 x 1 Nova Iguaçu
Flamengo 2 x 2 Bangu
Macaé 4 x 1Duque de Caxias
Audax 2 x 0 Cabofriense

Vasco perde gols, empata no fim e adia classificação no Carioca

Globo Esportes

marlon_futurapress_marcellodias

Ainda não foi neste sábado que o Vasco assegurou sua vaga às semifinais do Campeonato Carioca. Debaixo de chuva forte, a equipe cruz-maltina perdeu muitos gols, irritou seu torcedor e apenas empatou por 1 a 1 com o Bonsucesso, em São Januário. O jogo foi válido pela 13ª rodada do estadual e teve 3.945 pagantes (4.602 presentes). O lateral Marlon fez o gol que evitou o pior, depois que Geovane abriu o placar.

Se a classificação não veio na noite deste sábado, pode vir no domingo, mesmo sem a equipe vascaína entrar em campo. Para isso, Nova Iguaçu (17 pontos), Botafogo (16) e Boavista (16) não podem vencer seus jogos, contra Audax, Flamengo e Volta Redonda, respectivamente. O Vasco está em terceiro lugar no Carioca, com 25 pontos, e iniciou a antepenúltima rodada com 99% de chances de avançar, segundo o matemático Tristão Garcia. A Cabofriense, em quarto, tem 24.

A vaga poderia ter sido construída de forma tranquila, mas o time de Adilson Batista, que começou de forma insinuante, passou a dar sinais de nervosismo após cada chance desperdiçada. E foram muitas, com Edmilson, Reginaldo e até Rodrigo, que perdeu quase debaixo da trave. Ao sofrer o gol de Geovane aos 29 do segundo tempo, recebeu vaias e o técnico Adilson Batista foi chamado de “burro”. Sorte que Marlon empatou aos 39 e aliviou as críticas.

O resultado não chegou a desagradar o Bonsucesso, que conquistou um ponto precioso na luta contra o rebaixamento. A equipe de Alfredo Sampaio chegou aos 12 pontos e abriu quatro da zona de risco. Na próxima rodada, atuará novamente fora de casa, diante do Madureira, no sábado, às 16h. No dia seguinte, às 18h30m, o Vasco fará o clássico contra o Fluminense, no Maracanã.













comercial tommacon



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia